Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

Deputados pedem agilidade em nova tentativa para acordo de reparação em Mariana

Acordo recuou em dezembro, após mineradoras oferecerem valor ‘irrisório’ para bancar ações de reparação aos atingidos

acordo-mariana-repactuacao.jpeg

Deputados se reuniram no TRF-6 e aguardam retomada das negociações

Mardélio Couto / Itatiaia

Deputados integrantes da Comissão Externa sobre Fiscalização dos Rompimentos de Barragens e Repactuação, além de representantes do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) se reuniram com a presidente do Tribunal Regional Federal da 6ª Região (TRF-6), Mônica Sifuentes, para pedir maior agilidade na construção do acordo de repactuação do desastre de Mariana, que completará nove anos em 2024.

O deputado federal Rogério Correia (PT) recordou que a possibilidade de acordo sofreu um revés em dezembro, quando as negociações foram interrompidas com uma proposta das mineradoras Samarco e suas controladoras, Vale e BHP Billiton, consideradas aquém de uma reparação necessária.

Leia também:

“Viemos apresentar o relatório para a presidente do TRF-6, Monica Sifuentes. O Tribunal está responsável pela repactuação do crime que ocorreu em Mariana há oito anos. Esse processo queremos que se agilize e, nos últimos encontros, andou-se para trás. As empresas ofereceram um valor irrisório, que não pode ser aceito. Hoje, viemos apresentar ao TRF-6, à desembargadora essa nossa opinião e ao mesmo tempo pedir agilidade para que as negociações sejam feitas o mais rápido possível, mas atendendo aos atingidos”, resumiu.

Como a Itatiaia noticiou em dezembro, a Samarco e as controladoras Vale e BHP Billiton oferecem pouco mais de R$ 40 bilhões no novo acordo de repactuação. O valor é quase quatro vezes menor que os R$ 150 bilhões apontados por estudos do Ministério Público Federal (MPF) como suficientes para garantir a repactuação aos atingidos.

O deputado Pedro Aihara (Patriota) critica ainda a atuação da Fundação Renova, criada pela Samarco e as controladoras Vale e BHP Billiton. Segundo o parlamentar, a Renova, que deveria ser independente, só executa o que as mineradoras querem.

“Uma das preocuapções da Comissão é fazer sugestões na melhoria dos modelos de governança, tanto nos acordos, como nos Termos de Ajustamento de Conduta. No caso de Mariana, nós temos uma excrescência jurídica, que é a Fundação Renova. Ela adota uma estratégia muito vil com os atingidos, em que eles executam o que eles acham interessante executar e o que eles não acham, eles acabam judicializando. Isso não oferece a solução para os problemas dos atingidos e fica se arrastando na Justiça. Nossa reunião foi para sensibilizar o Judiciário para que, diante dessas manobras jurídicas, para que possa se ter uma resposta adequada da Justiça e que questões como essas estejam contempladas no acordo”, explica.

Leia Também

Representando às vítimas da tragédia de Mariana, o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) também participou do encontro. O coordenador Joceli Andrioli afirma que agora já existe uma lei para que a Justiça possa cobrar e punir as mineradoras com rigor.

“Tem uma unidade hoje porque é um crime que precisa ser punido e as pessoas precisam ser reparadas. Isso unificou a bancada mineira quando apresentou uma Política Nacional de Direitos dos Atingidos por Barragens, que o Lula sancionou recentemente. A gente espera valer para os casos de Brumadinho e Mariana. Agora, se não houver um acordo sério, essa lei pode ser acionada e os atingidos, hoje, tem parâmetro para dizer quais são seus direitos, quem é atingido e os programas legais para a reparação”, afirma.

A Itatiaia apurou nos últimos dias que o Governo de Minas espera nova proposta de mineradoras ainda neste mês. No entanto, procuradas para discutir questões do acordo, a Samarco e a BHP não quiseram se manifestar sobre o assunto.

A Vale, uma das controladoras da Samarco, disse que está comprometida com a construção de um novo acordo e que as negociações estão em andamento.

O rompimento da barragem do Córrego de Fundão matou 19 pessoas e causou um rastro de destruição socioambiental incalculável ao longo da bacia do Rio Doce. A lama que vazou da estrutura da Samarco chegou ao litoral do Espírito Santo. Quase nove anos depois, ninguém foi responsabilizado pela tragédia. Até hoje, ninguém foi preso.

Participe do canal da Itatiaia no Whatsapp e receba as principais notícias do dia direto no seu celular. Clique aqui e se inscreva.

Repórter de política na Rádio Itatiaia. Começou no rádio comunitário aos 14 anos. Graduou-se em jornalismo pela PUC Minas. Em Belo Horizonte, teve passagens pelas rádios Alvorada, BandNews FM e CBN. No Grupo Bandeirantes de Comunicação, ocupou vários cargos até chegar às funções de âncora e coordenador de redação na BandNews FM BH. Cobriu as tragédias ambientais da Samarco, em Mariana, e da Vale, em Brumadinho. Vencedor de 8 prêmios de jornalismo. Em 2023, venceu o Prêmio Nacional de Jornalismo CNT.
Leia mais