Ouvindo...

Times

Como surgiu a canjica? Conheça origem deste e outros pratos típicos da Festa Junina

Mistura de tradições, produção abundante de gêneros alimentícios e contato entre pessoas de diferentes partes do Brasil contribuíram para a origem dos pratos da época

Canjica, pé-de-moleque, pamonha e munguzá são alguns dos pratos típicos e atrações especiais durante o período dos festejos juninos. No entanto, você sabe como esses quitutes surgiram?

A diversidade de pratos e suas formas de preparo carregam consigo um pouco da história do Brasil, da miscigenação das culturas indígena, africana e europeia. Alguns dos principais ingredientes das receitas são o milho, o amendoim, o arroz, a abóbora e a mandioca.

Leia também

O historiador Rafael Gonçalves explica que esses alimentos não foram escolhidos à toa. “A festa junina tem essa origem europeia e foi transplantada para o Brasil pelos portugueses ainda durante o período colonial, mas tem aqui uma grande aderência, principalmente no caso do milho”.

“Interessante a gente pensar que a safra do milho, a colheita, principalmente no Nordeste, que era o centro do Brasil colonial, e por isso vai ter uma influência muito grande dessa cultura portuguesa, dessa cultura europeia, ele era colhido justamente em junho, o tempo de São João”, afirma o historiador em entrevista à Rádio Nacional.

A canjica

Não se sabe exatamente como surgiu a canjica. No entanto, a teoria mais aceita é de que a receita foi inventada no Brasil, durante o período colonial, por africanos escravizados.

Em várias regiões da África, a “kanzika” era uma espécie de papa tradicional. Por aqui, ela passou a ser feita com milho e a ser consumida por ser saborosa e barata. Ao longo dos anos, a receita de canjica ganhou novos ingredientes: leite de coco, cravo, canela e outros.

Outras teorias, como defendida pelo sociólogo Gilberto Freyre, apontam que a canjica se originou no Brasil, com os indígenas tupinambás, que também possuíam a tradição de consumir mingaus e papas de milho.

Produção de milho

A tradição das comidas de milho, além da culinária colonial, também tem ligação com os povos originários da América, que ajudaram não só a popularizar o cultivo, mas também as formas de beneficiamento. O Brasil é hoje um dos maiores produtores de milho do mundo.

A abundância do grão se reflete na variedade de receitas durante os festejos de junho. Ao longo dos séculos, essas receitas foram ganhando novos ingredientes, outros nomes e diferentes maneiras de serem produzidas, a depender também da região do país.

Regina Tchelly, empreendedora social e fundadora do projeto Favela Orgânica, no Morro da Babilônia e Chapéu Mangueira, na zona sul do Rio de Janeiro, conta que a variedade de pratos produzidos nos arraiás reflete a acolhida de pessoas vindas de várias partes do Brasil. Segundo ela, há uma união da tradição e inovação na cozinha que celebra os santos juninos.

“O Brasil inteiro tá aqui, né? Mineiro, tem bastante comida mineira. Tem muito baião de dois, que é do Nordeste. No mês junino aqui, tem muito cuscuz doce, que é uma tradição aqui do Rio de Janeiro, que eu não conhecia. Tem muito bolo de milho. Estou também percebendo que cada vez mais, com o alimento mais caro, as pessoas estão aprendendo a aproveitar melhor os alimentos”, relata.

* Com informações da Agência Brasil.


Participe dos canais da Itatiaia:

Pablo Paixão é estudante de jornalismo na UFMG e estagiário de jornalismo da Itatiaia
Leia mais