Ouvindo...

Times

Governo demite servidores da Abin presos pela Polícia Federal por espionagem ilegal

Demissão dos dois servidores da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) consta no Diário Oficial da União (DOU)

O governo demitiu os dois servidores da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) presos durante operação da Polícia Federal (PF), nessa sexta-feira (20), suspeitos de espionagem ilegal. Os desligamentos de Eduardo Izycki e Rodrigo Colli constam em edição extra do Diário Oficial da União (DOU) e são assinados pelo ministro da Casa Civil, Rui Costa. Eles foram retirados de seus cargos de inteligência por improbidade administrativa e após a polícia ter constatado que os dois participavam da gerência de uma sociedade privada e exerciam comércio — o que é proibido pela legislação brasileira para aqueles que ocupam cargo de oficial na Abin.

Os dois são investigados pela polícia por usar ilegalmente um sistema de monitoramento da agência para espionar adversários políticos do então presidente Jair Bolsonaro. Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), jornalistas, juízes e advogados constam na lista de alvos da prática criminosa. Ao longo da manhã, vinte e cinco mandados de busca e apreensão foram cumpridos em quatro estados — Goiás, Paraná, São Paulo e Santa Catarina — e no Distrito Federal. Entre os alvos estava Caio César dos Santos Cruz, filho do general Carlos Alberto Santos Cruz, que ocupou a chefia da Secretaria de Governo de Bolsonaro.

Caio César, aliás, é apontado pela Polícia Federal como o representante do grupo israelense do qual a Agência Brasileira de Inteligência adquiriu o FirtsMile. Esse sistema, adquirido durante o governo Michel Temer, permitia a geolocalização de celulares e deveria ser usado mediante autorização judicial. Entretanto, o programa espião foi operado ilegalmente durante a gestão do diretor Alexandre Ramagem, aliado de Bolsonaro e hoje deputado federal eleito pelo Partido Liberal.

Após a operação da Polícia Federal, a Abin informou em nota que colabora com a corporação para identificar os responsáveis pelas ilegalidades praticadas. A agência declarou que, além dos dois presos, outros cinco servidores citados na investigação foram afastados de suas funções. O órgão argumentou ainda que a corregedoria interna conduziu uma investigação própria para identificar as operações irregulares realizadas com o FirtsMile.

Repórter de política em Brasília. Na Itatiaia desde 2021, foi chefe de reportagem do portal e produziu série especial sobre alimentação escolar financiada pela Jeduca. Antes, repórter de Cidades em O Tempo. Formada em jornalismo pela Universidade Federal de Minas Gerais.
Leia mais