Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

Secretário de Zema não descarta alternativas ao Regime de Recuperação Fiscal

Gustavo Barbosa, secretário de Fazenda do Governo de Minas, destaca que prazo de 20 de dezembro deve ser cumprido

O secretário de Estado de Fazenda de Minas Gerais, Gustavo Barbosa, repetiu o discurso do vice-governador Mateus Simões (Novo), e disse ver com bons olhos propostas alternativas ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF), defendido pela administração estadual. Em entrevista coletiva nesta terça-feira (21), o chefe da equipe econômica de Zema disse, no entanto, que o governo tem que respeitar o prazo de 20 de dezembro para chegar a uma definição sobre o refinanciamento da dívida com o União.

Barbosa participou de um evento no Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e não descartou, por exemplo, a federalização de empresas estatais, como a Cemig, a Copasa e a Codemig. O objetivo é que, ao repassar as companhias para o governo federal, o valor da dívida com o estado seja abatido.

A proposta foi levada pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD), ao presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva (PSD), nesta terça-feira, e é oposta à defendida por Zema. No Plano de Recuperação Fiscal enviado ao Ministério da Fazenda, a gestão estadual propôs a privatização da Codemig, mas não citou outras empresas estatais.

“Desde que essa proposta ajude o estado de Minas Gerais, a gente vai ser favorável. Seja federalizar a Cemig, a Copasa, a Codemig... qualquer ação que vem ajudar o estado de Minas Gerais, com certeza será apoiado pelo governo [de Minas]”, afirma.

Outra proposta colocada em pauta é a utilização de recursos da repactuação do desastre de Mariana, em 2015. Dessa forma, o estado deixaria de receber a verba - como ocorreu no caso da tragédia de Brumadinho - e as ações de reparação aos atingidos seriam feitas pelo governo federal, no estado.

Para Barbosa - que foi o responsável por implementar o Regime de Recuperação Fiscal no estado do Rio de Janeiro, em 2016, - é preciso que o prazo de 20 de dezembro seja respeitado. Conforme decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), este seria o limite de prazo para que as parcelas da dívida de Minas Gerais com a União (que estão suspensas desde o primeiro mandato de Zema) voltem a ser cobradas.

“O que a gente tem, hoje, na mesa, é uma decisão unânime do STF com relação à data de 20 de dezembro. É o que a gente tem que trabalhar e não seria adequado da parte do governo ficar contando com uma possível alteração de data. Isso a gente não pode fazer em hipótese nenhuma, em função das consequências caso não ocorram essas alternativas. A gente tem uma data, que é 20 de dezembro, e a gente trabalha fortemente com essa data. Outras alternativas possíveis, exequíveis dentro do prazo de 20 de dezembro, nenhum problema. Eu acho que não podemos contar com isso [adiamento da data]”, diz.

Procurador-geral critica Regime de Recuperação Fiscal

Ao lado de Gustavo Barbosa, o Procurador-Geral de Justiça, Jarbas Soares Jr., criticou a proposta do Governo de Minas para aderir ao Regime de Recuperação Fiscal. O chefe do Ministério Público estadual, disse que o prazo de nove anos é “muito longo” e que o plano apresentado pelo governador “engessa os serviços públicos” e que os servidores “acabam prejudicados”.

“Nós estamos acompanhando porque o Regime de Recuperação Fiscal nos atinge. Isso gera uma consequência de nove anos. É um prazo muito longo (...). Se aparecer uma alternativa melhor, nós vamos aplaudir muito porque esse modelo que vem do Ministério da Economia passado engessa os serviços públicos e acaba que os servidores serão prejudicados”, opina.

Jarbas Soares Jr. disse, ainda, que o estado precisa pagar a dívida com a União.

“Eu, particularmente, acho que quando se deve, o credor tem que estabelecer algum prazo para pagamento e não pode sufocar quem vai pagar, em sacrifício dos serviços públicos do Estado as estradas, a educação e a saúde”, afirma.

Editor de política. Foi repórter no jornal O Tempo e no Portal R7 e atuou no Governo de Minas. Formado em Comunicação Social pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), tem MBA em Jornalismo de Dados pelo IDP.
Eustáquio Ramos é repórter e apresentador da Itatiaia
Leia mais