Ouvindo...

Times

Condenado por planejar atentado a bomba no Aeroporto de Brasília vai ao regime semiaberto

George Washinton de Oliveira Sousa, considerado pela Justiça como autor da montagem do explosivo que foi instalado em um caminhão de combustível, cumpriu um sexto da pena e poderá trabalhar

A Vara de Execuções Penais do Distrito Federal autorizou progressão de regime para o empresário bolsonarista George Washington de Oliveira Sousa. Ele foi condenado a nove anos e oito meses de prisão por uma tentativa de atentado a bomba no Aeroporto Internacional de Brasília, na véspera do Natal de 2022.

A decisão é da juíza Francisca Danielle Vieira Rolim Mesquita, que habilitou o empresário a cumprir o restante da pena no regime semiaberto. O Ministério Público também se manifestou favorável à progressão do regime já que o preso cumpriu um sexto da pena. Esse é um dos requisitos previsto na Lei de Execução Penal. A decisão da Justiça também permite que George Washington volte a trabalhar. Antes da prisão, ele era gerente de um posto de combustíveis.

Veja mais:

Investigado por planejar atentado em Brasília doou R$ 22 para campanha de Bolsonaro

Outro condenado pela tentativa de atentado, o taxista Alan Diego dos Santos Rodrigues, a cinco anos de reclusão, está no semiaberto desde novembro de 2023. Uma terceira pessoa também estava relacionada ao caso. Trata-se do ex-assessor do Ministério dos Direitos Humanos, Wellington Macedo de Souza. Logo após a prisão dos dois primeiros ele fugiu e foi localizado em setembro do ano passado, no Paraguai. Desde então foi preso e condenado, em outro processo, a seis anos de prisão.

Leia também

Trio planejou atentado uma semana antes da posse de Lula

Após investigações sobre a tentativa de explosão no Aeroporto Internacional de Brasília, uma denúncia do Ministério Público do Distrito Federal (MP-DF) atribuiu a George Washington a montagem da bomba e a Alan Diego a instalação do explosivo em um caminhão de combustível, carregado de querosene de aviação. A perícia apontou que o artefato não explodiu por um erro de montagem.

Eles foram condenados por três crimes: expor a perigo a vida, a integridade física ou o patrimônio de outro, causar incêndio em combustível ou inflamável e porte ilegal de arma de fogo e artefato explosivo ou incendiário.

(com informações de agências)


Participe dos canais da Itatiaia:

A Rádio de Minas. Tudo sobre o futebol mineiro, política, economia e informações de todo o Estado. A Itatiaia dá notícia de tudo.
Leia mais