Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

Mesmo unida ao Psol, Rede tem dois pré-candidatos à Prefeitura de BH; entenda cenário

Paulo Lamac e Ana Paula Siqueira sinalizaram disposição de disputar o pleito; partido está federado ao Psol, que tem pré-candidatura própria

A Rede Sustentabilidade tem, neste momento, dois pré-candidatos à Prefeitura de Belo Horizonte (PBH). Na semana passada, o ex-vice-prefeito da cidade, Paulo Lamac, formalizou, à direção nacional do partido, a intenção de disputar o pleito. Ele se junta à deputada estadual Ana Paula Siqueira, que vai oficializar a pré-candidatura ao Executivo belo-horizontino em evento previsto para o próximo sábado (24).

Ana Paula conta com o apoio da ministra do Meio Ambiente, Marina Silva. A integrante do governo federal é aguardada em Belo Horizonte para participar do evento organizado pela aliada. No mês passado, a porta-voz nacional da Rede, Heloísa Helena, já havia estado na capital mineira.

A equação política da Rede, no entanto, ainda precisa levar em conta os rumos do Psol, que lançou a deputada estadual Bella Gonçalves como pré-candidata em BH. As duas agremiações formam uma federação partidária. Por isso, devem caminhar juntas nas eleições deste ano em todos os municípios brasileiros.

Lamac e Ana Paula veem com naturalidade o fato de ambos cogitarem disputar a sucessão do prefeito Fuad Noman (PSD). A avaliação é que o período de pré-campanha serve para amadurecer propostas e fomentar os debates entre os filiados à Rede.

Hoje, Lamac é porta-voz da Rede em Minas. Ele atua, também, como presidente estadual da federação com os pessolistas.

“Tenho uma trajetória que entendo que me qualifica para apresentar o nome à cidade, pelo fato de ter uma caminhada como vice-prefeito, vereador e deputado estadual”, diz, à Itatiaia.

Foi sob a bandeira da Rede que, em 2016, Lamac se elegeu vice de Alexandre Kalil — à época no extinto PHS. “É um acumulado que me coloca na obrigação de colocar o nome à disposição da cidade. Esse é um momento adequado para fazer isso”, completa

Ana Paula Siqueira, por sua vez, ocupa cadeira na Assembleia Legislativa desde 2019. Antes, chegou a fazer parte da equipe de Lamac. O apoio de Marina é trunfo constantemente citado por aliados dela como prova de que a pré-candidatura pode ganhar musculatura.

“A pré-campanha serve para o debate interno e para o diálogo com a sociedade. Depois da definição interna do partido — e espero que seja uma discussão pacífica e que o partido saia unido — há a questão da federação para se definir. Mas acredito que vamos conseguir sair em convergência, tendo aqueles nomes que melhor representam nossa federação para os desafios que a cidade têm”, aponta.

No ano passado, a parlamentar chegou a se encontrar com ex-prefeitos, como Patrus Ananias (PT) e Marcio Lacerda (PSB), para conversar sobre a conjuntura política.

“É uma candidatura para construir novos caminhos para BH. É para além da radicalização. Conheço as dores da periferia, porque nasci, cresci e vivo lá. Conheço a cidade”, garante.

Sem pressa

Embora setores da federação Psol-Rede tenham apresentado três pré-candidaturas à Prefeitura de BH, o entendimento é que será possível chegar, sem sobressaltos, a um consenso. Ana Paula Siqueira e Bella Gonçalves, por exemplo, têm boa relação.

“Temos o tempo da legislação para debatermos e equacionarmos isso. Esse tipo de questão se resolve com diálogo à luz das regras do partido e da federação”, explica Lamac.

A Rede é o partido majoritário da federação em Minas, mas, no plano nacional, o Psol tem maior representatividade. E, no caso de capitais, a decisão sobre as táticas eleitorais da Rede ficará a cargo da direção nacional da agremiação.

Há, ainda, expectativa por alianças externas.“O próprio presidente Lula, em Belo Horizonte, falou da necessidade de uma frente ampla para enfrentar a extrema-direita”, assinala o dirigente.

A fala de Lamac a respeito de Lula vai ao encontro do que o petista disse no início deste mês, durante entrevista à Itatiaia.

“O que temos de trabalhar é sempre com a perspectiva de quem vamos enfrentar mais à direita, mais conservador, para que a gente possa não cometer o erro de entregar Belo Horizonte outra vez a uma pessoa extremamente de direita, um fascista. É isso que temos de pensar”, pregou o chefe do governo federal.

Por ora, além das hipóteses aventadas por Psol e Rede, há, à esquerda, as pré-candidaturas dos deputados federais Rogério Correia, do PT, e Duda Salabert, do PDT.

Fuad Noman, em que pese o fato de não ter decidido se será, ou não, concorrente à reeleição, já disse não descartar eventual apoio de Lula.

Em 2022, apesar de já estarem legalmente unidos, Psol e Rede seguiram caminhos distintos em Minas, ainda que de modo extraoficial. Os pessolistas lançaram Lorene Figueiredo como candidata ao governo e tiveram, formalmente, o endosso da Rede. Informalmente, no entanto, a sigla de Marina Silva caminhou com Alexandre Kalil.

Participe do canal da Itatiaia no Whatsapp e receba as principais notícias do dia direto no seu celular. Clique aqui e se inscreva.

Graduado em Jornalismo, é repórter de Política na Itatiaia. Antes, foi repórter especial do Estado de Minas e participante do podcast de Política do Portal Uai. Tem passagem, também, pelo Superesportes.
Leia mais