Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

Oito anos depois, Justiça Federal marca prazo para 1ª sentença sobre tragédia de Mariana

Rompimento da barragem de Fundão, da Samarco, completou oito anos em novembro do ano passado; acusados já se livraram de julgamento por homicídio e respondem por crime de desabamento e inundação

Mariana Antônio Cruz Agencia Brasil.jpg

Após quase oito anos tramitando na Justiça, processo sobre rompimento de barragem em Mariana está perto de ter 1ª sentença

Antonio Cruz/ Agência Brasil

A Justiça Federal dará a primeira sentença sobre a tragédia de Mariana até julho deste ano. A informação foi apurada pela Itatiaia com fontes do Poder Judiciário que estão diretamente envolvidas no processo.

Na ação, 22 pessoas e quatro empresas (Samarco, Vale, BHP Billiton e VogBR) respondem por crimes ambientais (desabamento e de inundação), que têm penas menores. Em 2019, uma decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) livrou os acusados dos crimes de homicídio. Vale lembrar que o rompimento da barragem do Fundão, em Mariana, deixou 19 mortos - uma das vítimas sequer foi encontrada, oito anos após o desastre.

O processo está na fase de alegações finais. Isso quer dizer que todas as testemunhas de acusação e defesa, inclusive pessoas que vivem fora do país, já foram ouvidas. A Justiça Federal em Ponte Nova, que conduz o processo, agora vai abrir espaço para manifestação do Ministério Público Federal (MPF) e da defesa dos acusados. Fontes da nossa reportagem afirmam que a sentença, em primeiro grau, será dada entre os meses de junho e julho deste ano.

Para garantir que esse prazo seja cumprido, a juíza do caso foi retirada de outras tarefas complexas que demandam tempo para que pudesse priorizar o processo de Mariana.

Processo ficou com a Justiça Federal

Um ano após o rompimento, em 2016, ocorreu o primeiro impasse na Justiça. Os envolvidos no processo tinham opiniões divergentes sobre onde o processo deveria tramitar. Em maio daquele ano, o Superior Tribunal de Justiça definiu que a Justiça Federal ficaria responsável por julgar o caso.

Na denúncia proposta em outubro de 2016 pelo MPF, a mineradora Samarco e suas controladoras Vale e a BHP Billiton foram acusadas de nove crimes ambientais. A VogBr Recursos Hídricos e Geotecnia e o engenheiro Samuel Paes Loures foram denunciados pelo crime de apresentação de laudo ambiental falso por atestar a estabilidade da barragem poucas semanas antes do colapso.

Ao todo, o MPF denunciou 22 pessoas e, à exceção de Loures, 21 pessoas foram acusadas de homicídio qualificado com dolo eventual — quando se assume o risco de matar.

Em 2019, as famílias de vítimas e o próprio MPF sofreram um duro golpe. Todos os acusados se livraram dos crimes de homicídio após uma decisão de três desembargadores da 4ª turma do TRF-1. Só restaram no processo os crimes de de desabamento e de inundação, crimes considerados mais leves no Código Penal Brasileiro. O crime de inundação, por exemplo, tem pena de seis a 12 anos em caso de ação dolosa, ou seja, quando resulta em morte.

À época, os magistrados alegaram que o MPF não apontou elementos suficientes para configurar crime de homicídio. O Ministério Público Federal argumentou que respeitava, mas discordou da decisão. Segundo o órgão, a acusação de homicídio tem amplo respaldo nas provas anexadas aos autos.

Na prática, a decisão vai provocar duas alterações importantes: os acusados não serão julgados pelo Tribunal do Júri e, em caso de condenação, vão ter penas mais leves.

Leia Também

Quando a denúncia foi apresentada, os promotores do MPF chegaram a falar em penas de prisão de até 54 anos, além de pagamento de multa, de reparação dos danos ao meio ambiente e daqueles causados às vítimas.

Durante a pandemia, o processo ficou parado. Segundo o MPF, a demora na tramitação causou a prescrição de dois crimes ambientais: destruição de plantas de locais públicos e privados e destruição de florestas ou vegetação protetoras de mangues.

Em novembro de 2015, o rompimento da barragem da Samarco matou 19 pessoas e despejou mais de 40 milhões de metros cúbicos de rejeitos de minério ao longo de 700 quilômetros do Rio Doce, em Minas Gerais, até atingir a sua voz, no Espírito Santo. Os rejeitos destruíram completamente o distrito de Bento Rodrigues e mais de 40 cidades mineiras e capixabas. Oito anos após o rompimento, ninguém foi preso.

Participe do canal da Itatiaia no Whatsapp e receba as principais notícias do dia direto no seu celular. Clique aqui e se inscreva.

Repórter de política na Rádio Itatiaia. Começou no rádio comunitário aos 14 anos. Graduou-se em jornalismo pela PUC Minas. Em Belo Horizonte, teve passagens pelas rádios Alvorada, BandNews FM e CBN. No Grupo Bandeirantes de Comunicação, ocupou vários cargos até chegar às funções de âncora e coordenador de redação na BandNews FM BH. Cobriu as tragédias ambientais da Samarco, em Mariana, e da Vale, em Brumadinho. Vencedor de 8 prêmios de jornalismo. Em 2023, venceu o Prêmio Nacional de Jornalismo CNT.
Leia mais