Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

Como barco encontrado com corpos chegou ao Brasil sem motor? Entenda hipóteses

Embarcação teria percorrido cerca de 4.800 km até ser encontrada no litoral do Pará; vítimas vinham da Mauritânia e Mali, países do continente africano

A Marinha Brasileira afirma que o barco encontrado com nove corpos em decomposição, na região de Bragança, no litoral paraense, não tinha qualquer motores ou qualquer sistema de propulsão. Ele teria chegado até o litoral brasileiro através de correntes marítimas.

Através da análise de documentos encontrados no interior da embarcação, a Polícia Federal descobriu que as vítimas eram migrantes vindos da Mauritânia e do Mali, países ao norte do continente africano.

Caso a embarcação tiver saído do porto de Nouakchott, na Mauritânia, ela teria percorrido cerca de 3.981 km para chegar até a área conhecida como ‘Barra do Quatipuru’, próximo à praia de Ajuruteua, em Bragança (PA). Mas, a PF acredita que, na verdade o barco tenha navegado por 4.800 km.

Leia também

Barco ter chegado inteiro ao Brasil foi uma ‘loteria’, diz especialista

O professor e coordenador do Laboratório Hidráulica Ambiental, da Universidade Federal do Pará (UFPA), Vando Gomes, explica que o fato do barco ter chegado inteiro na costa brasileira, por si só, é impressionante.

“Essa é uma embarcação de porte médio, feita de fibra e de maneira muito artesanal. Até existe a possibilidade desse barco ter chegado ao Brasil sem nenhum sistema de propulsão ou navegação, mas é muito improvável, seria uma loteria. As coisas tendem a dar muito mais errado nesse caso para a embarcação afundar. O Oceano Atlântico tem muitas ondas, que chegam a quatro, cinco, seis metros. As tempestades também são muito comuns”, explicou.

Ventos e correntes marítimas trouxeram barco para o Pará

Apesar de ter sido encontrada por pescadores no Pará, a PF acredita que os migrantes desejavam ir até as Ilhas Canárias, na África Ocidental. O arquipélago pertence à Espanha e é considerado uma porta de entrada para acessar ilegalmente o continente europeu.

Gomes afirma que entre março e abril, há ventos fortes direcionados para a costa amazônica, isso pode ser a explicação do barco ter sido levado pelo oceano até o Pará.

“A combinação de ventos fortes em direção à costa e a maré intensa, que traz mais sedimentos para a costa, propiciou que essa embarcação chegasse até Bragança. Não existe exatamente uma corrente (que liga o norte da África a região amazônica), mas o que pode ter acontecido é esse barco ter ficado à deriva e se aproximado de uma das correntes que vem até a costa brasileira”, disse.

PF investiga se motor do barco foi furtado

A Polícia Federal realizou, nesta quarta-feira (17), diligências para investigar se o barco tinha um motor. Há a possibilidade de que o equipamento tenha sido furtado por pescadores na costa paraense.

“Não acredito que seja possível que alguém se lance ao mar sem nenhum tipo de sistema de navegação. O que pode ter acontecido é que esse barco tivesse o motor e a gasolina tenha acabado no meio da viagem. Se esse barco ficou perdido no oceano, seria impossível sobreviver sem nenhum recurso. Mas como as vítimas são migrantes africanos que estavam indo para a Europa, não dá para descartar. O desespero é tão grande que leva a tentar a sorte”, finaliza o professor.


Participe dos canais da Itatiaia:

Fernanda Rodrigues é repórter da Itatiaia. Graduada em Jornalismo e Relações Internacionais, cobre principalmente Brasil e Mundo.
Leia mais