Ouvindo...

Times

Corpos em barco no Pará: migrantes teriam viajado cerca de 4 mil km para chegar à costa brasileira

Embarcação teria atravessado o oceano atlântico para chegar até a região de Bragança, no Pará; nove corpos foram encontrados

A Polícia Federal confirmou nesta segunda-feira (16) que a embarcação encontrada à deriva na região de Bragança, no Pará, tinha nove corpos de migrantes da região da Mauritânia e do Mali, no continente africano. De acordo com essa informação, se a embarcação tivesse saído do porto de Nouakchott, na Mauritânia, ela teria percorrido cerca de 3.981km para chegar até a região de Bragança, no Para.

A identificação preliminar feita pela PF foi possível porque, junto aos corpos, foram localizados documentos e pertences que sugerem que as vítimas eram migrantes originários da África. No entanto, a corporação não descarta a possibilidade de haver pessoas de outras nacionalidades entre as vítimas, incluindo suspeitas de migrantes do Caribe.

A Polícia Federal também informou que oito corpos estavam a bordo da embarcação e um nono estava próximo a ela, em situações que indicavam ser parte do mesmo grupo de vítimas. Devido às mutilações, inicialmente se acreditava que o número de vítimas poderia ser maior.

Os procedimentos para identificar os corpos descobertos em um barco à deriva na área de Bragança (PA) no sábado passado (13) começaram na noite de segunda-feira (15).

Confira o mapa

Conflitos no Mali

Há anos, a população maliana vem sofrendo com a violência de conflitos armados entre rebeldes separatistas Tuaregues e o governo militar comandado pelo presidente interino Assimi Goïta. Além disso, país está entre os mais pobres do mundo, dependente de mineração do ouro e da exploração do algodão - o que faz com que a população também sofra com a fome e com a falta de recursos básicos para a sobrevivência.

Leia também


Participe dos canais da Itatiaia:

Ana Luisa Sales é estudante de jornalismo da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Na Itatiaia desde 2022, já passou por empresas como ArcelorMittal e Record TV Minas. Atualmente escreve para as editorias entretenimento, curiosidades e cidades.
Leia mais