Ouvindo...

Times

‘Confissão de crimes praticados’, diz Rui Costa sobre ato realizado por Bolsonaro

O ministro da Casa Civil, Rui Costa, comentou nesta segunda-feira (26) o ato realizado na Avenida Paulista, pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e aliados

O ministro da Casa Civil, Rui Costa, afirmou que o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) confessou, em ato realizado na Avenida Paulista, no domingo (25), a realização de atos criminosos contra a democracia. O ministro disse, em conversa com jornalistas, no Palácio do Planalto, nesta segunda-feira (26), que não acompanhou o ato bolsonarista, mas avaliou que houve confissão de crimes durante o discurso do ex-presidente aos apoiadores. “Talvez seja a primeira vez na história que pessoas que cometeram atos criminosos chamam um evento em praça pública e, na praça pública, confessam o crime e vão além disso, pedem perdão e anistia aos crimes cometidos”, afirmou. ““É um negócio inusitado de alguém confessar que fez a prática criminosa”, completou o ministro.

Rui Costa avaliou que os atos não prejudicam a estratégia do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva de pacificar o país e de estreitar a relação com o segmento evangélico, que votou, majoritariamente, no ex-presidente Jair Bolsonaro nas eleições de 2022. “Diante do que eles tinham divulgado, da força que tiveram no passado, não tem nenhuma surpresa. Todos sabem que o país ainda se encontra com um grau de polarização grande e a pregação do ódio”, avaliou.

O ministro Rui Costa disse que o golpe contra a democracia não foi concretizado por falta de aderência de diferentes segmentos da sociedade. ”O golpe não se viabilizou porque a sociedade brasileira não aceita golpe. Ninguém aceita isso. Ela nunca esteve e não está presente para a esmagadora maioria da população brasileira. Foi por isso que o golpe não se concretizou, porque não houve aderência”, destacou o ministro.

Participe do canal da Itatiaia no Whatsapp e receba as principais notícias do dia direto no seu celular. Clique aqui e se inscreva.

Repórter da Itatiaia desde 2018. Foi correspondente no Rio de Janeiro por dois anos, e está em Brasília, na cobertura dos Três Poderes, desde setembro de 2020. É formado em Jornalismo pela FACHA (Faculdades Integradas Hélio Alonso), com pós-graduação em Comunicação Eleitoral e Marketing Político.
Leia mais