Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

Em pronunciamento, ministro dos Direitos Humanos faz apelo por mais ‘empatia’

Manifestação de Silvio Almeida acontece em alusão aos 75 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos.

pronunciamento silvio almeida

O ministro dos Direitos Humanos, Silvio Almeida

Divulgação

Em pronunciamento em cadeia de rádio e televisão na noite deste sábado (9), o ministro dos Direitos Humanos, Silvio Almeida, fez um apelo por mais “empatia”. A declaração foi feita em alusão aos 75 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos. Silvio Almeida lembrou que o documento reconhece a dignidade de todas as pessoas.

“Sabe quando a gente olha alguém que está sofrendo, passando por alguma humilhação ou privação, e sente um incômodo, uma angústia? O nome disso é empatia. Eu diria que aí está a essência dos Direitos Humanos: a capacidade de se importar e querer cuidar das pessoas.”

Na manifestação, o ministro disse que a humanidade está diante de diversos desafios, principalmente econômicos, sociais e climáticos. “São crises que combinam, se agravam, jogam milhões de pessoas no desespero e colocam em risco a própria sobrevivência da nossa espécie. Diante desta crise, muitos escolheram por excluir ou abandonar os mais fracos. E essa escolha, eu posso garantir, não tem futuro, porque o futuro, meu amigo, minha amiga, está em imaginar, fabular, criar, construir um mundo onde caibam todos e todas nós.”

Siga o canal da Itatiaia no WhatsApp

Leia, abaixo, a íntegra do pronunciamento:

“Meu amigo, minha amiga, amanhã, 10 de dezembro, é o Dia Internacional dos Direitos Humanos, data escolhida porque há 75 anos a Organização das Nações Unidas, a ONU, adotou a Declaração Universal dos Direitos Humanos. É um documento que marca o compromisso dos Estados em reconhecer a dignidade de todas as pessoas e assegurar a realização dos direitos humanos.

Por isso quero pedir licença para entrar em sua casa e falar brevemente sobre um sentimento que eu sei que você e eu compartilhamos. Não importa a sua posição política. Sabe quando a gente olha alguém que está sofrendo, passando por alguma humilhação ou privação, e sente um incômodo, uma angústia? O nome disso é empatia.

Eu diria que aí está a essência dos Direitos Humanos: a capacidade de se importar e querer cuidar das pessoas. Se pudéssemos resumir o significado dos Direitos Humanos em duas palavras, só duas, elas seriam respeito e cuidado. A humanidade está diante de grandes desafios climáticos, econômicos, políticos e sociais. São crises que combinam, se agravam, jogam milhões de pessoas no desespero e colocam em risco a própria sobrevivência da nossa espécie. Diante desta crise, muitos escolheram por excluir ou abandonar os mais fracos. E essa escolha, eu posso garantir, não tem futuro, porque o futuro, meu amigo, minha amiga, está em imaginar, fabular, criar, construir um mundo onde caibam todos e todas nós.

Em menos de um ano de governo do presidente Lula, nós construímos políticas para fazer a diferença na vida de gente que é, muitas vezes, esquecida. Intensificamos a proteção de crianças e adolescentes, e também das suas famílias. Projetamos para pessoas com deficiência uma vida sem limite. Criamos políticas para a população de rua. Voltamos a enxergar as pessoas idosas. Mapeamos soluções para que as pessoas encarceradas possam projetar alguma esperança na vidas. Passamos a olhar com merecido respeito a população LGBTQIA+. Combatemos a violência e a intolerância religiosa e lutamos pela memória, a verdade e a justiça.

Se você que me assiste nesse momento for vítima de ataques aos seus direitos, quero dizer, com toda clareza, que você é importante para nós. Estamos trabalhando dia e noite para que os direitos que você tem sejam respeitados. Agora, se você neste momento considera que já tem seus direitos garantidos, mas sente no fundo do peito uma angústia diante das injustiças, digo, com toda clareza, tem um lugar para você ao nosso lado como um defensor ou uma defensora do que é de justo, bom, e do que há de melhor nesse mundo. Boa noite.”

É jornalista formado pela Universidade de Brasília (UnB). Cearense criado na capital federal, tem passagens pelo Poder360, Metrópoles e O Globo. Em São Paulo, foi trainee de O Estado de S. Paulo, produtor do Jornal da Record, da TV Record, e repórter da Consultor Jurídico. Está na Itatiaia desde novembro de 2023.
Leia mais