Ouvindo...

Times

Pai dos sócios da 123milhas e empresários ligados ao grupo devem depor à CPI das Pirâmides

CPI das Pirâmides Financeiras convocou quatro empresários ligados à 123milhas para depor nesta terça-feira (3)

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Pirâmides Financeiras deve ouvir nesta terça-feira (3) quatro empresários ligados aos negócios indicados como fraudulentos praticados pela 123milhas — entre eles está o pai dos irmãos que são proprietários do grupo. Aliás, nessa segunda-feira (2), o relator Ricardo Silva (PSD-MG) afirmou que pedirá os indiciamentos dos dois sócios, Ramiro Júlio Soares Madureira e Augusto Júlio Soares Madureira. A empresa de negociação de passagens aéreas e pacotes de viagem suspendeu a emissão de bilhetes em 18 de agosto, e aos cancelamentos se sucederam demissões em massa e um pedido de recuperação judicial protocolado na Vara de Belo Horizonte.

Para a sessão desta terça-feira da CPI são aguardados os depoimentos de José Augusto Madureira — pai dos sócios e proprietário de uma empresa de publicidade que negociava com a 123milhas, Rogério Júlio Soares Madureira, Larissa Rodrigues Garcia Goulart Ferreira e Antônia Cristina Soares Madureira. Autor do requerimento de convocação, o presidente da CPI, deputado Áureo Ribeiro (Solidariedade-RJ), detalhou no documento que o intuito é ouvi-los sobre suas relações com o grupo.

Até o início da tarde, nenhum dos quatro indicou à comissão se comparecerá ou não à sessão marcada. A expectativa é que, se eles se ausentarem, o presidente peça a condução coercitiva do quarteto.

CPI será encerrada em 11 de outubro

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga pirâmides financeiras no Brasil chegará ao final no próximo 11 de outubro, e o relatório do deputado Ricardo Silva (PSD-SP) pedirá os indiciamentos dos irmãos Ramiro Júlio e Augusto Júlio Soares Madureira. “Certamente serão indiciados”, atestou Ricardo Silva nesta segunda-feira. “Também estamos investigando a conduta dos diretores”, afirmou.

A CPI chegou à 123Milhas após a suspensão da emissão dos pacotes de viagem e detectou a possibilidade do grupo operar em um modelo de pirâmide. O negócio não era sustentável, segundo detalhou o deputado. “Estamos caminhando para a conclusão de que o modelo era insustentável desde o início em razão dos fluxos bancários. Por exemplo, se entrava R$ 1.000, eles gastavam R$ 1.500", citou. “Sempre entrava menos que saía. E como eles mantinham? Com empréstimos bancários altos e atraindo mais clientes com publicidade”, pontuou o relator.

Ricardo Silva indicou ainda que, no início das investigações, a CPI avaliava que as fraudes ligadas à 123Milhas se referiam apenas ao plano promocional, o que não se sustentou. “Começamos a entender que a empresa opera em situação ilícita desde 2019. Levantamos que era uma empresa insustentável e eles, de fato, se mantinham trazendo mais clientes, cada vez mais clientes. O que justifica os gastos com publicidade”, afirmou. “E para o dinheiro ficar com eles [sócios], os gastos com publicidade eram feitos com a agência do pai. Era um negócio triangulado”, cravou.

Inicialmente, a CPI das Pirâmides Financeiras acabaria na última quinta-feira (28). Mas o relator Ricardo Silva e o presidente Aureo Ribeiro conseguiram autorização do presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), para prorrogá-la até 11 de outubro. A comissão mira esquemas de pirâmides ligados a ativos digitais, como criptomoedas e milhas aéreas. Em relação à 123Milhas, o relator calcula que, pelo menos, 700 mil pessoas foram lesadas pelo grupo.

Repórter de política em Brasília. Na Itatiaia desde 2021, foi chefe de reportagem do portal e produziu série especial sobre alimentação escolar financiada pela Jeduca. Antes, repórter de Cidades em O Tempo. Formada em jornalismo pela Universidade Federal de Minas Gerais.
Leia mais