Ouvindo...

Times

Ministra da Saúde anuncia R$ 187 milhões para Minas; saiba como valor será distribuído

Nísia Trindade garantiu repasses nesta sexta-feira (21), durante visita à UFMG, em Belo Horizonte

A ministra da Saúde, Nísia Trindade, anunciou, nesta sexta-feira (21), o envio de cerca de R$ 187 milhões a Minas Gerais para custear investimentos em serviços de alta e média complexidade. A verba foi garantida pela integrante do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) durante visita à sede da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em Belo Horizonte.

Do montante prometido por Nísia, R$ 33,4 milhões vão ser destinados ao teto financeiro de municípios como Contagem, na Região Metropolitana, Governador Valadares, no Vale do Rio Doce, Cristais, no Centro-Oeste mineiro, e Serra do Salitre, no Alto Paranaíba.

Outros R$ 103,6 milhões serão endereçados a hospitais filantrópicos de referência em BH e Ouro Preto, na Região Central. Na lista de estabelecimentos beneficiados estão, por exemplo, as Santas Casas das duas cidades, o Hospital Risoleta Neves, o Complexo Hospitalar São Francisco e o Hospital Sofia Feldman.

Há, ainda, R$ 50,9 milhões a serem entregues para rever valores destinados a tratamentos oncológicos feitos por 32 casas de saúde do estado. Os cerca de R$ 187 milhões serão entregues gradativamente ao estado, por meio de repasses mensais.

“Esses 180 milhões fazem parte de uma revisão que estamos fazendo junto a estados e municípios, retomando o papel do governo federal, através do Ministério da Saúde, que é de estar junto à gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) e coordenar esse processo”, disse Nísia, ao explicar o aporte.

Vacinação

A comitiva liderada por Nísia Trindade aproveita a passagem pro Belo Horizonte para visitar o CTVacinas, espaço da UFMG que abriga estudos de um imunizante antiCovid-19, o SpiN-TEC UFMG.

Segundo a ministra, o governo federal pretende definir até dezembro como será o esquema vacinal contra a Covid-19 em 2024. O comitê montado pela Saúde federal para debater as estratégias de combate à infecção terá papel fundamental.

“Isso (o esquema vacinal) depende de uma análise cuidadosa da necessidade do reforço — se é (por exemplo) uma necessidade para pessoas com comorbidades e para os mais idosos”, afirmou, pedindo à população que tome a dose bivalente de reforço, disponível nas unidades de saúde.

Eustáquio Ramos é repórter e apresentador da Itatiaia
Graduado em Jornalismo, é repórter de Política na Itatiaia. Antes, foi repórter especial do Estado de Minas e participante do podcast de Política do Portal Uai. Tem passagem, também, pelo Superesportes.
Leia mais