Ouça a rádio

Compartilhe

Ala do PSDB mineiro votará contra aliança com Simone Tebet 

Lideranças tucanas de Minas defendem candidatura própria ao Palácio do Planalto 

Marcus Pestana é pré-candidato ao governo de Minas pelo PSDB

Considerada praticamente fechada pelas principais lideranças da Executiva Nacional do PSDB, a aliança com a senadora Simone Tebet (MDB) na disputa pelo Palácio do Planalto é criticada por uma ala do partido em Minas Gerais. 

O grupo mineiro liderado pelo deputado Aécio Neves e pelo ex-deputado Marcus Pestana, pré-candidato do PSDB ao governo de Minas, levará uma posição contrária ao apoio de Tebet na reunião da Executiva Nacional que acontece nesta quinta-feira (9). 

O PSDB vai decidir nesta quinta-feira (9) em reunião da Executiva Nacional a proposta de coligação com o MDB para a eleição de presidente da República. A reunião é considerada um capítulo decisivo para a construção de uma terceira via. 

Em um encontro na quarta-feira (8), as lideranças tucanas indicaram já ter maioria para fechar o acordo com Tebet. No entanto, alguns parlamentares ainda defendem uma candidatura própria e tentam barrar a aliança com o MDB. 

“Não pode passar de hoje” 

Pré-candidato do PSDB ao governo de Minas, Marcus Pestana defende que o partido lance um nome próprio na disputa ao Planalto. No entanto, ele admite que a maioria da sigla já demonstrou intenção de confirmar a aliança com Tebet. Pestana cobra uma definição rápida da Executiva sobre as articulações nacionais. 

“Uma ala do PSDB ainda defende a candidatura própria. Hoje temos que tomar uma decisão sobre a aliança nacional. Não pode passar de hoje”, diz Pestana. 

Ele avalia que as costuras políticas nacionais estão caminhando de forma independente das conversas nos estados. Pestana espera ter o MDB em sua chapa para o governo de Minas, mas admite que a sigla está dividida entre apoiar o governador Romeu Zema (Novo) ou o ex-prefeito Alexandre Kalil (PSD). 

“Estamos conversando com lideranças do MDB, do União Brasil, do PDT e do Cidadania. Conversei muito com Newton Cardoso Jr (presidente do MDB) e ele me disse que hoje o partido está dividido entre Zema e Kalil. Mas caso a aliança seja fechada nacionalmente, fará sentido estarmos no mesmo palanque em Minas. Mas não é uma decisão que vem de cima para baixo, é preciso fazer um convencimento, um diálogo com os partidos”, avalia Pestana. 

O tucano intensificou as conversas com o ex-prefeito de Uberaba Paulo Piau, que foi lançado para o Senado pelo MDB. Segundo Pestana, as definições devem ocorrer somente em julho, quando os partidos se reúnem para as convenções.


Leia Mais

Mais lidas

Ops, não conseguimos encontrar os artigos mais lidos dessa editoria

Baixar o App da Itatiaia na Google Play
Baixar o App da Itatiaia na App Store

Acesso rápido