Ouvindo...

Times

Bioma mais afetado por queimadas, Pantanal ultrapassa 11 mil focos de incêndio em 2024

541.575 hectares já foram consumidos pelo fogo até o último sábado (22); governo do Mato Grosso do Sul decretou situação de emergência por 180 dias

O Pantanal enfrenta uma grave crise ambiental devido aos incêndios florestais que atingem o bioma. Considerado a maior área úmida do planeta, o Pantanal já registrou 11.919 focos de fogo neste ano. Os dados, computados entre 1° de janeiro e 23 de junho, são do Programa de Queimadas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Segundo dados do Laboratório de Aplicações de Satélites Ambientais (Lasa) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), até o último sábado (22), já foram consumidos pelo fogo 541.575 hectares no bioma Pantanal. Isso equivale a uma área maior que 3 cidades de São Paulo.

Leia também

Além do maior volume de queimadas comparados aos últimos 7 anos (veja comparação abaixo), chama a atenção a antecipação do problema, que nos anos anteriores só foi intensificado a partir de agosto.

Nesta segunda-feira (24), o governador do Mato Grosso do Sul, Eduardo Riedel (PSDB), publicou um decreto que declara situação de emergência por 180 dias nos municípios do estado que foram afetados por incêndios florestais.

Durante esse período, ações que estão relacionadas ao desastre e possuem o foco voltado para a reabilitação e reconstrução do cenário estão autorizadas e podem ser mobilizadas pelos órgãos estaduais para atuarem sob a coordenação da Defesa Civil do Mato Grosso do Sul.

A Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA) declarou no dia 14 de maio de 2024, situação crítica de escassez quantitativa dos recursos hídricos na região hidrográfica do Paraguai, vigente até 31 de outubro de 2024, podendo ser prorrogada caso a escassez persista.

Bioma mais afetado por queimadas

Uma pesquisa divulgada pela rede de pesquisa MapBiomas apontou que, proporcionalmente, o Pantanal é o bioma mais afetado por queimadas ao longo dos últimos 39 anos. Foram 9 milhões de hectares, o que representa 59,2% do território que abrange os estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

Entre 1985 e 2023, o município de Corumbá foi o que mais registrou queimadas em todo o país, e o Pantanal, a região que ficou com mais “cicatrizes de fogo” na vegetação nativa, com 25% do território afetado pelas marcas. Neste ano, a cidade também está entre as áreas mais afetadas.

Foco de incêndios nos últimos 7 anos

Os dados do Programa de Queimadas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) indicam o número de focos detectados pelo satélite de referência entre 01/01 a 23/06 de cada ano, nos estados do Mato Grosso (MT) e Mato Grosso do Sul (MS).

  • 2018

MS: 519

MT: 3.825

  • 2019

MS: 1.451

MT: 5.811

  • 2020

MS: 2.623

MT: 6.260

  • 2021

MS: 884

MT: 4.800

  • 2022

MS: 1.071

MT: 6.118

  • 2023

MS: 719

MT: 5.334

  • 2024

MS: 3.744

MT: 8.175

O Pantanal

Localizado na Bacia do Alto Paraguai (BAP), constituindo uma planície sedimentar de aproximadamente 151.000 quilômetros quadrados. Com o seu maior território entre os estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, a região abrange áreas na Bolívia e Paraguai.

É a maior área úmida do planeta, reconhecido pela Unesco como Patrimônio Natural da Humanidade e Reserva da Biosfera. O Pantanal é Considerado um Ecótono (Complexo de Ecossistemas) pois trata-se de uma região de encontro entre 5 biomas: Cerrado, Chaco, Amazônia, Mata Atlântica e Bosque Seco Chiquitano.

*Sob supervisão de Enzo Menezes


Participe dos canais da Itatiaia:

Giullia Gurgel é estudante de jornalismo e estagiária da Itatiaia.
Leia mais