Ouvindo...

Times

Cemig anuncia investimentos de R$ 2,3 bilhões para melhorar fornecimento de energia para o agro

Empresa criou canais de atendimento exclusivos para os produtores rurais e prevê melhorias na rede elétrica. Até o final do ano, serão instalados 3.240 novos religadores e inspecionados mais de 140 mil km de rede

Boa notícia para os produtores rurais que enfrentavam problemas com a interrupção constante no fornecimento de energia e a dificuldade de comunicação com a Cemig para relatar as ocorrências. O presidente da companhia, Reynaldo Passanezi Filho, anunciou que, ao longo de 2024, serão investidos R$ 2,3 bilhões em melhorias voltadas para o agro e cerca de R$ 11 bilhões até 2027”.

O vice-governador de Minas Gerais, Professor Mateus Simões, que fez o lançamento do Programa juntamente com o CEO da companhia, disse que “era uma alegria poder anunciar estas novas medidas para os nossos produtores rurais, com quem temos reforçado reiteradas vezes o compromisso desta gestão: facilitar a vida de quem produz. É mais uma ação para incentivar a atividade produtiva, com atenção especial a pequenos produtores e empreendimentos, facilitando e melhorando as condições para quem quer produzir, gerar empregos e renda em Minas Gerais”.

O pacote de investimentos - incentivado pelo próprio governador Romeu Zema que não esconde sua simpatia pelo setor - faz parte de um novo braço da companhia: o Programa Cemig Agro. A iniciativa prevê uma série de ações para melhoria do fornecimento de energia e do atendimento aos produtores rurais, no caso de corte no fornecimento.

Leia mais:

Zema critica Cemig: se o produtor quiser ligar a bomba, não vai conseguir irrigar a propriedade
https://www.itatiaia.com.br/politica/2023/08/01/zema-critica-cemig-se-o-produtor-quiser-ligar-uma-bomba-nao-vai-conseguir-irrigar-a-propriedade

A energia caiu? Ligue para 0800-721-6600

Conforme antecipado pela Itatiaia, foram criados, por exemplo, canais exclusivos de relacionamento, ampliação de bases operacionais e reforço de equipes com mais recursos para manutenção preventiva e para a modernização da rede. A partir de agora, estão disponíveis dois telefones gratuitos e exclusivos para os clientes agro. No caso de um problema no fornecimento de energia, o produtor rural deve ligar para 0800-721-6600, tanto para comunicar a falta de energia quanto para acompanhar o andamento da demanda.

Os sindicatos rurais também ganharam um telefone exclusivo, o 0800-722-8989, para comunicação e acompanhamento dos serviços que impactam seus associados. O cliente será atendido por pessoas especializadas e familiarizadas com o universo agro.

Ciceli Martins, gerente do programa, disse à Itatiaia que ele é fruto da compilação de reclamações de diversos produtores rurais para seus representantes e entidades de classe, com a Federação da Agricultura (Faemg). “De posse dessas reclamações, a Cemig mapeou a necessidade de promover ações efetivas para atuar e melhorar o atendimento ao cliente rural”. Segundo ela, anteriormente, essas demandas chegavam dispersas nos canais de atendimento e acabavam não entrando numa lista de prioridade. “Com a criação dos canais exclusivos, esperamos dar mais agilidade no restabelecimento da energia dos produtores rurais”, falou.

Além da melhora do relacionamento com o cliente, o programa Cemig Agro prevê outras providências:

  • manutenção preventiva (limpeza de áreas, inspeção de 100% da rede e equipe adicionais);
  • automação (instalação de religadores automáticos nas redes monofásica e trifásica); resiliência da rede;
  • transição energética (expansão e melhoria da qualidade do sistema e fontes renováveis);
  • inovação e eficiência (incentivo a novos projetos que atendam o produtor rural).

“Vamos ampliar nossas bases operacionais, o que representará mais equipes da Cemig em prontidão para restabelecer o fornecimento de energia o mais breve possível, beneficiando, principalmente, nossos clientes do campo”, destacou o vice-presidente de Distribuição da empresa, Marney Antunes.

Até o final deste ano, a companhia vai instalar 3.240 novos religadores, realizar a limpeza de mais de 43 mil km de faixa sob linhas e inspecionar mais de 140 mil km de rede. Essas ações visam minimizar, principalmente, as ocorrências envolvendo vegetação e meio ambiente.

“Em ocorrências no sistema elétrico de distribuição, esses dispositivos recompõem a rede automaticamente, no menor tempo possível, em caso de interrupções por defeitos transitórios. Em locais em que há a instalação desse equipamento, há a redução de até 20% na quantidade de desligamentos dos clientes”, explica Marney Antunes.

Além dos religadores, a Cemig também continuará entregando as novas subestações e promovendo as ampliações de subestações existentes. Em 2024, estão previstas 38 novas subestações, dentro do programa Mais Energia, adicionando mais capacidade de fornecimento de carga para os clientes. Desde setembro de 2021, a iniciativa já inaugurou mais de 100 novas subestações e espera entregar em total de 200 até 2027.

R$ 23 bilhões estão sendo investidos na rede de distribuição

No início deste ano, a Cemig anunciou o investimento de R$ 23 bilhões em sua rede de distribuição, que atende a mais de 9 milhões de clientes em todo o estado, para os próximos cinco anos (2024-2028). Trata-se do maior plano de investimentos da sua história no setor, ampliando os R$ 18,4 bilhões anunciados em 2023 com prazo de execução até 2027.

Minas Trifásico está entre as várias ações de melhorias que beneficiará diretamente o cliente da área rural. O programa vai converter cerca de 30 mil km de redes elétricas rurais monofásicas em redes trifásicas. A iniciativa beneficiará quase todos os municípios da área de concessão da empresa, promovendo a potencialização acelerada do agronegócio local, mais desenvolvimento, emprego e renda para as regiões mineiras. No ano passado, o valor investido no Programa Minas Trifásico foi de aproximadamente R$ 441 milhões, com extensão de 2.032 km de rede trifásica.

Leia também


Participe dos canais da Itatiaia:

Maria Teresa Leal é jornalista, pós-graduada em Gestão Estratégica da Comunicação pela PUC Minas. Trabalhou nos jornais ‘Hoje em Dia’ e ‘O Tempo’ e foi analista de comunicação na Federação da Agricultura e Pecuária de MG.



Leia mais