Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

Prefeitos pedem que ANTT avalie em março retirada de trecho da BR 381 na RMBH do projeto de concessão

Se a proposta do Ministério dos Transportes for aprovada, o governo federal fará a obra entre BH e Caeté

A expectativa de prefeitos de cidades atravessadas pela BR 381 na saída de Belo Horizonte é que o novo edital de concessão da rodovia seja avaliado na próxima reunião da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), no dia 08 de março. Conforme anunciado pelo ministro dos Transportes, Renan Filho (MDB), durante a primeira visita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva à Minas Gerais, os lotes 8A e 8B da BR foram retirados do projeto de licitação. O risco geológico do terreno e a quantidade de desapropriações no trecho estão entre as causas de desinteresse dos investidores. Os três leilões que o governo federal tentou fazer ficaram desertos, ou seja, não tiveram interessados.

O prefeito de Sabará, Wander Borges (PSB) e o líder do Movimento Pró-vidas BR 381, Clésio Gonçalves, se reuniram com o ministro dos Transportes, Renan Filho (MDB), com o de Minas e Energia, Alexandre Silveira (PSD), e tiveram reuniões ainda no Departamento Nacional de Infraestrutura (DNIT), Agência Nacional de Transporte Terrestre (ANTT) e o Tribunal de Contas da União (TCU). “Realmente foi segregado. Então, agora nós teremos dois encaminhamentos. Um de um edital novo, que será colocado à disposição do Tribunal de Contas da União, que terá 45 dias para avaliar via a ANTT, e o lote 8A e 8B, que é onde deram os grandes problemas, inclusive no que se refere à não participação de algumas empresas na concessão da BR-381. Então a gente espera que nessa caminhada, no segundo semestre desse ano, a gente tenha aí essa parte liberada”, disse o prefeito de Sabará Vander Borges (PSB).

Leia também

Depois que a ANTT avaliar o ajuste, feito pelo Ministério dos Transportes, a proposta será enviada para análise do Tribunal de Contas da União. Assim que o desmembramento dos trechos for analisado, se o posicionamento técnico for favorável, o governo federal poderá tomar as primeiras providências para o trecho entre Belo Horizonte e Caeté. O trajeto tem 35 quilômetros.

Segundo Clésio Gonçalves, nos trechos 8A e 8B as intervenções dentro do processo de concessão começariam apenas em 2029, mas na alçada do governo federal podem começar em 2025. “Existe a possibilidade de um ano e meio já estar mexendo, ter obra lá já”, disse.

Ainda de acordo com ele, enquanto questão das desapropriações estiver sendo resolvida, o governo federal pode iniciar a obra na altura de Caeté, onde não há previsão de remoções. “E uma coisa que nós, o movimento Pró-vida pedimos ao diretor do DNIT [...] que começasse as obras logo depois da tribo de Caeté, com isso a gente ganha uns 10 quilômetros que não tem problema de entrave de desapropriações e reassentamentos. Então quer dizer, a gente vai ter um ganho de uns 10 a 15 quilômetros de obras independente de desapropriação e reassentamento”, completou o líder do Movimento Pró-vidas.

Nos bastidores, o governo federal tenta costurar uma parceria com as prefeituras das cidades afetadas para a construção de moradias populares.

Participe do canal da Itatiaia no WhatsApp e receba as principais notícias do dia direto no seu celular. Clique aqui e se inscreva.

Edilene Lopes é jornalista, repórter e colunista de política da Itatiaia e podcaster no “Abrindo o Jogo”. Mestre em ciência política pela UFMG e também diplomada em jornalismo digital pelo Centro Tecnológico de Monterrey (México). Na Itatiaia desde 2006, já foi apresentadora e registra no currículo grandes coberturas nacionais, internacionais e exclusivas com autoridades, incluindo vários presidentes da República. Premiada, em 2016 foi eleita, pelo Troféu Mulher Imprensa, a melhor repórter de rádio do Brasil.
Leia mais