Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

Presidente da Câmara de BH arquiva pedido de Kalil para cassar mandato de vereadora do Novo

Com a decisão, denúncia contra Fernanda Altoé não será levada ao plenário da Câmara Municipal

O presidente da Câmara Municipal de Belo Horizonte (CMBH), Gabriel Azevedo (sem partido), arquivou o pedido de cassação do mandato da vereadora Fernanda Altoé (Novo). A denúncia foi apresentada pelo ex-prefeito Alexandre Kalil (PSD), na semana passada.

Na decisão, Azevedo diz que o pedido não apresenta “os contornos mínimos constitucionalmente exigidos” e que, por isso, a denúncia deveria ser arquivada.

À reportagem, Fernanda Altoé minimizou o teor da denúncia.

“De fato, para você ter qualquer denúncia, você tem que ter fato. Ainda mais em um processo de cassação de um vereador. Em nenhum momento, Alexandre Kalil conseguiu comprovar qualquer fato que possa gerar um processo de cassação. Eu cheguei a apresentar uma defesa disso, mas acho que nem precisava porque era muito claro que não existia fato”, afirmou.

Ela voltou a classificar a denúncia do ex-prefeito como “oportunista”.

“O pedido não tem lógica nenhuma, muito pelo contrário, acho que eles forçaram tanto a barra em querer construir uma narrativa que eles estão incorrendo em um crime de denunciação caluniosa”, denunciou ao dizer que o grupo ligado ao ex-prefeito quer prejudicá-la eleitoralmente.

Denúncia

No dia 6 de setembro Kalil pediu que Fernanda Altoé tivesse o mandato cassado pela Câmara de Belo Horizonte. Em ofício encaminhado ao Legislativo municipal, ele argumentou que a parlamentar utilizou do cargo para beneficiar o governador Romeu Zema (Novo) durante a campanha eleitoral de 2022. Zema disputou - e venceu - o pleito em cima de Alexandre Kalil.

Conforme a denúncia do ex-prefeito, a vereadora demorou 96 dias para levar à Procuradoria do Município um pedido de explicações sobre decisão do órgão de desistir de cobrar uma dívida de IPTU de um imóvel pertencente a Kalil. No documento, ele diz que ela teve ciência do fato em abril, mas só questionou oficialmente o órgão da prefeitura em agosto, em meio à campanha eleitoral.

“Fernanda Altoé não estava, em tese, interessada em zelar pela coisa pública, como é seu dever. Pretendia criar um fato político em desfavor de Alexandre Kalil, beneficiando Romeu Zema nas eleições para o Governo do Estado de 2022”, afirmou no documento.

Jornalista graduado pela PUC Minas; atua como apresentador, repórter e produtor na Rádio Itatiaia em Belo Horizonte desde 2019; repórter setorista da Câmara Municipal de Belo Horizonte.
Editor de política. Foi repórter no jornal O Tempo e no Portal R7 e atuou no Governo de Minas. Formado em Comunicação Social pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), tem MBA em Jornalismo de Dados pelo IDP.
Leia mais