Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

Salles confirma ida do ministro Paulo Teixeira à CPI do MST após Lira blindar braço-direito de Lula

Ministro-chefe da Casa Civil, Rui Costa, deporia à CPI do MST nesta quarta-feira (9), mas convocação foi derrubada pelo presidente da Câmara, Arthur Lira

O relator Ricardo Salles (PL-SP) garantiu nesta quarta-feira (9) a ida do ministro Paulo Teixeira (PT) à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga as invasões do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) nos primeiros sete meses do governo Lula (PT). Ao contrário de Rui Costa (PT), ministro-chefe da Casa Civil blindado pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), Paulo Teixeira comparecerá à CPI na condição de convidado, e não de convocado.

“O ministro Paulo Teixeira deu sinais de que virá amanhã [quinta-feira, 10]. Inclusive, foi pedido pelo PT que nós o convidássemos e, se ele não viesse na condição de convidado, o convocaríamos”, afirmou Salles. “Ele [Paulo Teixeira] estipulou essa data. Vamos perguntá-lo sobre em que pé andam os programas deixados pela gestão do presidente Jair Bolsonaro para moralizar o processo de reforma agrária. Também queremos saber qual a motivação dele para colocar em cargos no ministério uma série de membros participantes das invasões de terra”, acrescentou.

A audiência pública com o ministro Paulo Teixeira está marcada para começar às 9h de quinta-feira.

Embate com Lira e mudanças na CPI do MST

Uma manobra partidária entre siglas ligadas ao Centrão e o governo Lula (PT) levaram à retirada de sete parlamentares atrelados à oposição na CPI do MST na Câmara dos Deputados entre a noite de terça-feira (8) e o início da tarde de quarta-feira (9). Com a mudança, a oposição perdeu o poder de compor maioria e aprovar requerimentos — como o que ocorreu no início de agosto, quando parlamentares da minoria conseguiram a convocação do braço-direito de Lula, ministro-chefe da Casa Civil, Rui Costa (PT).

As mudanças aconteceram em meio à ordem do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), para anular o requerimento de convocação do ministro Rui Costa. O braço-direito do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) deporia à CPI na condição de convocado às 14h desta quarta-feira.

O cancelamento do depoimento do ministro-chefe da Casa Civil e as alterações na formação original da CPI do MST compõem o universo de negociações entre partidos ligados ao Centrão e o governo Lula. Após o União Brasil, Republicanos e PP estruturam a entrada na Esplanada dos Ministérios graças à reforma ministerial do petista; e Lula articula formas para evitar o desgaste que poderia ser provocado pela atuação dos deputados de oposição da comissão.

Sobre as mudanças, Ricardo Salles disparou: “daqui para frente não se aprova mais nada, porque o governo agiu com a conivência do Centrão e conseguiu estabelecer maioria”.

Repórter de política em Brasília. Na Itatiaia desde 2021, foi chefe de reportagem do portal e produziu série especial sobre alimentação escolar financiada pela Jeduca. Antes, repórter de Cidades em O Tempo. Formada em jornalismo pela Universidade Federal de Minas Gerais.
Leia mais