Ouvindo...

Times

Igreja católica argentina pede a Milei alimentos para refeitórios comunitários

Em sua reivindicação, o bispo apelou à “sensibilidade do pão que pode faltar em outras mesas” em um país com mais da metade de sua população na pobreza

A Igreja católica argentina reivindicou, neste domingo (26), do governo do presidente Javier Milei a entrega urgente de toneladas de alimentos armazenadas pelo ministério de Capital Humano, pasta que interrompeu, desde dezembro, o abastecimento dos refeitórios comunitários das organizações sociais para serem auditados.

“Tomamos conhecimento que existem dois depósitos de alimentos no Ministério do Desenvolvimento Social (atual ministério do Capital Humano), que têm cinco milhões de quilos de alimentos guardados (...), em um tempo de emergência alimentar. Isto deve nos chamar à reflexão, [os alimentos] têm que ser entregues rapidamente”, disse o presidente da Conferência Episcopal Argentina, Oscar Ojea, em mensagem gravada e divulgada pelo Episcopado.

Em sua reivindicação, o bispo apelou à “sensibilidade do pão que pode faltar em outras mesas” em um país com mais da metade de sua população de 47 milhões de habitantes na pobreza.

Leia também

O ministério a cargo de Sandra Pettovello interrompeu a entrega de alimentos para refeitórios de organizações sociais, a maioria críticas do governo, ao afirmar que muitos locais são “inexistentes” e ordenou uma auditoria.

“Preocupa-nos que vá se perdendo esta sensibilidade ante um direito essencial e primário, que é o do alimento. Deus queira que rapidamente estes depósitos sejam abertos para que os irmãos com tantas necessidades possam desfrutar de seu alimento diário”, disse o religioso.

Na quinta-feira passada, o porta-voz da Presidência, Manuel Adorni, admitiu a situação.

“De fato, estes alimentos existem”, disse Adorni. “São alimentos adquiridos pela administração anterior e estão ali porque, segundo as auditorias, um bom percentual dos refeitórios não existiam ou não tinham a quantidade de pessoas que diziam ter”, justificou o funcionário.

“Certamente que [os alimentos] serão distribuídos, é óbvio que vão chegar às pessoas a que tiverem que chegar”, assegurou, sem dar detalhes sobre o processo de entregas.

Recentemente, em uma exposição no Congresso, o chefe de Gabinete, Nicolás Posse, antecipou resultados da auditoria que ainda não foram divulgados e que, segundo afirmou, mostrou que “quase 50% dos refeitórios não existiam”.

Segundo as organizações, há cerca de 45.000 refeitórios comunitários em todo o país, mas uma quantidade não informada deixou de funcionar com a interrupção, em dezembro, do abastecimento que recebia do Estado, enquanto outros o fazem graças a doações privadas.


Participe dos canais da Itatiaia:

AFP
Agence France-Presse é uma agência de notícias francesa, a AFP cobre a atualidade mundial com uma qualidade única de produção multimídia em vídeos, textos, fotos e infográficos em seis línguas.
Leia mais