Ouvindo...

Times

Desenrola de BH? Prefeitura publica novas regras para negociação de dívidas

Cidadão ou empresa que tenham débitos vencidos até 31 de agosto deste ano podem aderir ao programa Reativa BH, a partir desta sexta-feira (29)

A Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) publicou, nesta sexta-feira (29), a Lei municipal 11.643/2023, que cria novas regras para renegociação de dívidas com o município. A legislação retoma o programa Reativa BH, adotado em 2021 - durante a pandemia de covid-19 - e que permite o parcelamento de débitos de cidadãos com a prefeitura.

O Reativa BH concede descontos para pagamento, à vista ou parcelado, de dívidas que venceram até o dia 31 de agosto deste ano. Dependendo da modalidade escolhida pelo contribuinte, os descontos podem chegar a 100% dos valores cobrados para multas e juros.

Para isso, o cidadão precisa aderir ao programa entre esta sexta-feira (29) e o dia 27 de março e abrir mão de eventuais ações judiciais que questionem a cobrança em questão.

A expectativa da PBH é que o programa renda R$ 600 milhões aos cofres públicos.

Quem pode aderir ao programa?

De acordo com a Lei Municipal 11.643/2023, podem aderir ao programa Reativa BH pessoas e empresas que devem tributos, tarifas, multas administrativas e penalidades aplicadas a descumprimento de obrigações tributárias. Ao todo, essas dívidas chegam a R$ 8,5 bilhões da dívida ativa da cidade.

Como aderir ao programa?

Para aderir ao programa Reativa BH, o interessado deve acessar o site reativabh.gov.br e realizar o cadastro.

Nesta sexta-feira (29), a Secretaria Municipal de Fazenda montou uma estrutura presencial para atender aos contribuintes interessados na negociação das dívidas.

O atendimento será feito na sede da pasta:

Local: Rua Espírito Santo, 605 - 5º andar, Centro

Horário: 12h às 18h

Contato: (31) 3277-4442

Editor de política. Foi repórter no jornal O Tempo e no Portal R7 e atuou no Governo de Minas. Formado em Comunicação Social pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), tem MBA em Jornalismo de Dados pelo IDP.
Leia mais