Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

Gleisi discorda de Haddad sobre investimentos, e cobra aliados para aprovação de temas no Congresso

A presidente do PT participou neste sábado (9) de uma mesa de debates sobre a política econômica do governo e as perspectivas para 2024

Gleisi disse que tentará reverter avanço da PEC na Câmara

A presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann

Gabriel Paiva/PT na Câmara

A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, defendeu maior participação do estado em investimentos para alavancar a economia, divergindo do posicionamento do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, que tem defendido austeridade fiscal para o cumprimento da meta, de déficit zero nas contas públicas para 2024. Os dois discordaram sobre o tema durante debate sobre a política econômica do governo, os efeitos e a perspectiva para 2024.

Em coletiva de imprensa durante a Conferência Eleitoral do PT, em Brasília, Gleisi minimizou a divergência e disse que a ideia é contribuir para que tudo dê certo. “O ministro Haddad tá fazendo o papel dele, tem a visão dele, temos a visão divergente, que foi exposta de maneira tranquila. Queremos contribuir para que tudo dê certo. Com a economia caindo um pouco, seria necessário ações maiores do estado brasileiro”, defendeu Gleisi.

A presidente do PT também cobrou dos partidos aliados que aprovem as matérias de interesse do governo, no Congresso Nacional, para alavancar a arrecadação federal. “Eu espero que a gente consiga aprovar todos os projetos que nós necessitamos aprovar lá, espero mesmo, até porque eu vejo que a maioria do Congresso Nacional está representada no governo do presidente Lula, ocupando ministérios, ocupando cargos, né. A gente precisa avançar”, enfatizou.

Siga o canal da Itatiaia no WhatsApp

Gleisi Hoffmann também criticou o aumento da verba pública destinada às emendas de comissões, para R$ 11 bi, de forma impositiva. Os novos valores estão previstos na Lei de Diretrizes Orçamentárias. “Temos que conversar com o Congresso sobre essa sanha de aumentar as emendas parlamentares. Isso é uma barbaridade, é uma transferência da previsão orçamentária do Executivo para o Congresso Nacional“, disparou Gleisi.

“Tem que ter bom senso, sou absolutamente contra isso, acho que o Congresso já tem bastante emendas, tem como executar, já participa do orçamento, não precisa disso. Vamos tentar derrubar, mas acho difícil porque há interesse próprio da Casa, mas acho ruim”, emendou a presidente do PT.

Repórter da Itatiaia desde 2018. Foi correspondente no Rio de Janeiro por dois anos, e está em Brasília, na cobertura dos Três Poderes, desde setembro de 2020. É formado em Jornalismo pela FACHA (Faculdades Integradas Hélio Alonso), com pós-graduação em Comunicação Eleitoral e Marketing Político.
Leia mais