Ouvindo...

Times

Psol alega ‘inconstitucionalidade’ e pede o arquivamento do PL do Aborto

As deputadas Sâmia Bomfim (Psol-SP) e Fernanda Melchionna (Psol-RS) ingressaram com pedido nesta segunda-feira (17) para que o PL que criminaliza o aborto após 22 semanas seja arquivado. A decisão de arquivar ou não será tomada pela Mesa Diretora

O Psol protocolou um pedido nesta segunda-feira (17) na Mesa Diretora da Câmara dos Deputados para que o projeto de lei 1904/2004, que criminaliza o aborto após 22 semanas, seja arquivado. O texto teve a urgência aprovada pela Câmara, na semana passada, o que permite que ele seja analisado pelo Plenário sem a necessidade de passar antes por comissões da Casa.

As deputadas federais Sâmia Bomfim (Psol-SP) e Fernanda Melchionna (Psol-RS) são as autoras do requerimento. Elas alegaram que o projeto de lei é inconstitucional. “Demonstra-se, portanto, a evidente inconstitucionalidade do Projeto de Lei em comento, especialmente por proibir, sem justificativa clínica, ética ou legal, e pela via ilegítima, o aborto legal em gestações acima de 22 semanas, decorrentes de estupro no Brasil”, destacaram.

A Constituição Federal não prevê punição penal para abortos em caso de estupro, quando há risco de morte para a gestante e não existe outra forma de salvar a vida da mulher ou quando o feto possui anencefalia.

Pelo texto em tramitação na Câmara, a pena aplicada a quem praticar aborto após 22 semanas seria equiparada a homicídio simples, que varia de seis a 20 anos de prisão. A pena máxima para o crime de estupro é de 10 anos.

Ainda no requerimento, as deputadas federais do Psol afirmam que a proposta impõe violações do direito à vida das mulheres, à igualdade e não discriminação. “Assim, faz-se necessária a devolução do Projeto de Lei nº 1.904, de 2024, que “Acresce dois parágrafos ao art. 124, um parágrafo único ao artigo 125, um segundo parágrafo ao artigo 126 e um parágrafo único ao artigo 128, todos do Código Penal Brasileiro, e dá outras providências“, ao seu autor, para garantir que as milhares de meninas, mulheres e pessoas grávidas, em especial as mais vulneráveis, sofram com limitações desprovidas de objetivo constitucional legítimo, impondo a elas violações do direito à vida, à igualdade e não discriminação, à saúde e da proibição de tortura ou tratamento desumano ou degradante”, argumentam no pedido.

Leia também

Um dos autores da matéria, o deputado Sóstenes Cavalcante (PL-RJ) afirmou nesta segunda-feira, pelas redes sociais, que a proposta deve ser votada pela Câmara dos Deputados o “mais breve possível. “Tenho certeza que o PL1904/24 será o votado o mais breve possível, por isso votamos a urgência, em acordo com todos os líderes. Os bebês de 5 meses e meio ou mais, estão sendo ASSASSINADOS com injeção no coração, procedimento que não fazem nem nos animais”, afirmou Sóstenes.


Participe dos canais da Itatiaia:

Repórter da Itatiaia desde 2018. Foi correspondente no Rio de Janeiro por dois anos, e está em Brasília, na cobertura dos Três Poderes, desde setembro de 2020. É formado em Jornalismo pela FACHA (Faculdades Integradas Hélio Alonso), com pós-graduação em Comunicação Eleitoral e Marketing Político.
Leia mais