Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

Ex-Atlético volta a treinar e deve reforçar o Ceará na final contra o Fortaleza

Guilherme Castilho perdeu a primeira partida da decisão do Cearense em recuperação de lesão, mas deve retornar para a partida do próximo sábado (6)

O técnico do Ceará, Vágner Mancini, deve ter reforço importante para a finalíssima do Campeonato Cearense no próximo sábado (6), contra o Fortaleza, na Arena Castelão. O meia Guilherme Castilho está recuperado de um desconforto no músculo adutor da coxa esquerda que o tirou da primeira partida da final, sábado passado (30), e que acabou 0 a 0.

Castilho se machucou justamente em um Clássico-Rei, o de 20 de março, pela fase de grupos da Copa do Nordeste. O Vozão venceu por 1 a 0. Ele começou a temporada como um dos únicos remanescentes de 2023 como titular, junto com o atacante Erick Pulga. Com sua lesão, Lucas Mugni tem jogado.

O jogador trabalhou com bola nesta segunda-feira (1), no treinamento realizado no centro de treinamento de Porangabuçu, em Fortaleza, segundo imagem divulgada pelo clube. Outro possível retorno é o do atacante Facundo Castro, que também está com um problema muscular, mas na coxa direita.

O meia se profissionalizou no Atlético, depois de se destacar na base do Mirassol. Após ser emprestado ao Confiança-SE e ao Juventude, foi vendido ao Ceará em 2022 por mais de R$ 9 milhões, na maior negociação da história da equipe cearense.

Como houve empate por 0 a 0 no primeiro confronto, no sábado passado (30), quem ganhar será o campeão cearense. Nova igualdade e o campeão será conhecido nas cobranças de pênaltis.

De 2019 para cá, o Fortaleza ganhou os cinco campeonatos, quatro deles sobre o Ceará (e um sobre o Caucaia), o que fez o Leão passar o Vozão no número total de títulos estaduais, 46 a 45.

Se o Fortaleza vencer em 2024, conquistará um inédito hexacampeonato. Nunca um clube conquistou o Cearense por seis vezes seguidas na história da competição que começou em 1915.

Leia também

Participe dos canais da Itatiaia Esporte:

Formado em jornalismo pela PUC-Campinas em 2000, trabalhou como repórter e editor no Diário Lance, como repórter no GE.com, Jornal da Tarde (Estadão), Portal IG, como repórter e colunista (Painel FC) na Folha de S. Paulo e manteve uma coluna no portal UOL. Cobriu in loco três Copas do Mundo, quatro Copas América, uma Olimpíada, Pan-Americano, Copa das Confederações, Mundial de Clubes, Eliminatórias e finais de diversos campeonatos.
Leia mais