Ouvindo...

Times

Gordura no fígado: saiba o que é e como evitar

Atualmente, o excesso de peso é uma das principais causas da gordura no fígado, é responsável por 60% dos casos

A esteatose hepática, conhecida popularmente como gordura no fígado, ocorre quando as células do fígado são infiltradas por gordura. Quando o índice de gordura no órgão chega a 5% ou mais, o recomendado é que o paciente inicie o tratamento o mais breve possível. A esteatose hepática pode provocar inflamação que pode evoluir para doenças mais graves. Uma das preocupações das autoridades de saúde é que a doença é silenciosa.

“A infiltração gordurosa do fígado pode evoluir para um quadro de inflamação do órgão, igualmente assintomático, que por sua vez pode evoluir para a cirrose, condição que, em fases avançadas, pode causar sintomas como acúmulo de líquidos no abdome, hemorragia digestiva alta, que se manifesta clinicamente por vômitos de sangue vivo ou com fezes muito pretas, icterícia e confusão mental. Nos estágios mais avançados, a doença associa-se a maior risco de tumores no fígado e, eventualmente, o câncer pode ocorrer mesmo em pacientes ainda sem cirrose”, explica a médica hepatologista do Grupo Fleury, Patrícia Marinho

Existem dois tipos de Esteatose Hepática:

1) Alcoólicas: quando a causa é o consumo excessivo de álcool.

2) Não alcoólicas: quando é causada por hábitos e estilos de vida inadequados.

Atualmente, o excesso de peso é uma das principais causas da gordura no fígado, é responsável por 60% dos casos. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), em 2025 a estimativa é de que 2,3 bilhões de adultos ao redor do mundo estejam acima do peso, 700 milhões deles com obesidade.

Leia também

Diagnóstico

“O mais comum é que a doença seja diagnosticada durante a realização de uma ultrassonografia abdominal. O fígado gorduroso tem um aspecto típico ao ultrassom, que pode ser também visto em outros exames, muitas vezes de forma incidental, como tomografia ou ressonância magnética de abdome, ou mesmo por meio de uma biópsia hepática”, comenta a Dra. Patrícia Marinho, hepatologista.

Tratamento

O tratamento se baseia no conhecimento da causa da esteatose, que pode ser por excesso de peso, alterações nas dosagens de gorduras do sangue ou no metabolismo da glicose; abuso de álcool; e algumas doenças metabólicas mais raras.

“As situações mais comuns são excesso de peso e alterações metabólicas. Nesses casos, a doença tem como principal tratamento uma dieta balanceada e atividade física regular, além de restrição do uso de álcool nos casos pertinentes”, destaca Patrícia.


Participe dos canais da Itatiaia:

Jornalista formada pelo Uni-BH, em 2010. Começou no Departamento de Esportes. No Jornalismo passou pela produção, reportagem e hoje faz a coordenação de jornalismo da rádio Itatiaia.
Leia mais