Ouvindo...

Times

Navio mais antigo do mundo a naufragar é descoberto com tesouros intactos no Mar Mediterrâneo

Após visitar o local, a Autoridade de Antiguidades de Israel (IAA) confirmou nesta quinta-feira (20) a descoberta do naufrágio que ocorreu há cerca de 3.300 anos

Uma empresa de gás natural encontrou cargas intactas do primeiro e mais antigo navio que naufragou no Mar Mediterrâneo, próximo a Israel. Após visitar o local, a Autoridade de Antiguidades de Israel (IAA) confirmou e divulgou nesta quinta-feira (20) a descoberta do naufrágio que ocorreu há cerca de 3.300 anos.

Embarcações e equipes da Energean, empresa de gás natural de E&P, que opera os campos offshore de Karish, Karish North, Katlan e Tanin, perto de Israel, realizavam uma pesquisa quando encontram a carga do navio a 90 km da costa, a uma profundidade de 1,8 km, no fundo do Mar Mediterrâneo.

Leia também

Da carga intacta, foram identificadas ânforas (vasos antigos gregos) que eram usados para transportar produtos na embarcação relativamente baratos e produzidos em massa, como azeite, vinho e itens agrícolas, como frutas.

Segundo a IAA, o navio parece ter afundado em crise, devido a uma tempestade ou uma tentativa de ataque de pirataria, que era comum na no final da Idade do Bronze.

‘Este é o primeiro e o mais antigo navio encontrado nas profundezas do mar do Mediterrâneo Oriental. Esta é uma descoberta de classe mundial que muda a história: nos revela como nunca antes as capacidades de navegação dos antigos marinheiros – capazes de atravessar o Mar Mediterrâneo sem linha de visão para qualquer costa. Deste ponto geográfico, apenas o horizonte é visível ao redor. Para navegar, eles provavelmente usaram os corpos celestes, obtendo avistamentos e ângulos do sol e das posições das estrelas’, explica Jacob Sharvit, Chefe da Unidade Marinha da IAA.

Além dos técnicos da empresa que ajudaram na extração dos artefatos do navio, a Enaregan forneceu o seu robô submersível, utilizado nas pesquisas pelo fundo do mar, para ajudar na descoberta histórica junto a IAA.

A pesquisa e o mapeamento do local pelo robô esclareceram que se tratava de um navio naufragado de 12 a 14 metros de comprimento que transportava centenas de navios, dos quais apenas alguns são visíveis acima do fundo do oceano. ‘O fundo lamacento esconde uma segunda camada de embarcações e parece que as vigas de madeira do navio também estão enterradas na lama’, afirma o Dr. Karnit Bahartan, Chefe da Equipe Ambiental da empresa de gás natural.

Ao longo de dois dias de trabalho no mar, a equipe da Energean extraiu duas embarcações, cada uma de uma extremidade diferente do navio, para minimizar perturbações no conjunto intacto do barco e da sua carga.

Novo marco na história

Apenas outros dois naufrágios com carga são conhecidos do final da Idade do Bronze no Mar Mediterrâneo: os barcos Cabo Gelidonya e Uluburun. Ambos, porém, foram encontrados relativamente próximos da costa turca e eram acessíveis por equipamentos de mergulho regulares.

‘A descoberta deste barco muda agora toda a nossa compreensão das antigas capacidades dos marinheiros: é o primeiro a ser encontrado a uma distância tão grande, sem linha de visão para qualquer massa de terra. Há aqui um enorme potencial para investigação: o navio está preservado a uma profundidade tão grande que o tempo congelou desde o momento do desastre – o seu corpo e contextos não foram perturbados pela mão humana (mergulhadores, pescadores, etc.); nem afetado por ondas e correntes que impactam naufrágios em águas mais rasas’, diz Sharvit.

*Sob supervisão de Enzo Menezes


Participe dos canais da Itatiaia:

Giullia Gurgel é estudante de jornalismo e estagiária da Itatiaia.
Leia mais