Ouvindo...

Times

Paris 2024: cinco candidatos a surpresa do Time Brasil na Olimpíada

Panorama Olímpico aponta esportes em que o Brasil pode conquistar medalhas não tão esperadas nos Jogos Olímpicos

Depois de elencar as maiores chances de ouro para o Brasil nos Jogos Olímpicos de Paris, o Panorama Olímpico faz uma aposta em quais modalidades o país pode surpreender no maior evento esportivo do planeta. É importante lembrar que há vários atletas que não se encaixam nem entre os favoritos ao ouro e nem seriam surpresas, portanto não constam nessas listas.

Alguns exemplos são Alison dos Santos (atletismo) Mayra Aguiar (judô), Bia Souza (judô), Rayssa Leal (skate), Caio Bonfim (marcha atlética) e Marcus D’Almeida. Nenhum desses é claro favorito ao ouro, mas também não podem ser considerados surpresas se subirem ao pódio.

Como é comum em todos os eventos esportivos, os Jogos Olímpicos sempre reservam algumas surpresas positivas e decepções. Ou seja, azarões vencem e favoritos perdem prova. Por isso, o Panorama Olímpico aposta em alguns desses candidatos a surpresa.

Clique no vídeo abaixo e veja as apostas do Panorama Olímpico

Bia Haddad e Luisa Stafani

Jogando no saibro de Roland Garros, tão marcante para o tênis brasileiro, as duas formam uma forte dupla na briga por medalhas. Luisa Stefani, duplista top-10 da WTA, já tem a medalha de bronze conquistada ao lado de Laura Pigossi em Tóquio.

Apesar de se dedicar mais ao circuito de simples recentemente, Bia Haddad tem boas caraterísticas para o jogo de duplas e também tem bons resultados como duplista. Juntas, elas podem conquista a segunda medalha da história do tênis brasileiro.

Vôlei Masculino

É difícil tratar o vôlei masculino do Brasil, bicampeão olímpico, como surpresa. Mas a verdade é que, neste momento, a equipe não está entre as principais forças do mundo. Nas últimas duas edições da Liga das Nações, a campanha terminou ainda nas quartas de final, por exemplo. Vale lembrar também o quarto lugar em Tóquio.

Tudo pode mudar, no entanto, com a volta de Bernardinho para o comando técnico. O treinador, que dispensa apresentações, tem tudo para melhorar o desempenho do time. O crescimento de Darlan, estrela da grande vitória sobre a Itália no Pré-Olímpico, também, é animador.

Revezamento 4x400

O Brasil conquistou a vaga olímpica para o revezamento 4x400 com uma boa prova no Mundial de Revezamentos disputado em Bahamas. A equipe ganhou a repescagem com o tempo de 3min01s86, próximo da marca feita pelos melhores times do mundo.

Em Paris, se chagar à final, o revezamento contará com o reforço de Alison dos Santos, o Piu. Ele já deixou claro que vai integrar a equipe em caso de classificação para a decisão, que reúne apenas os oito melhores classificados. Com Piu, Matheus Lima, Lucas Carvalho e Lucas Villar, o Brasil tem condições de baixar o tempo e brigar por medalha

Hugo Calderano

O brasileiro está consolidado entre os 10 melhores mesatenistas do mundo nos últimos anos. Para ficar com uma medalha, é importante tentar ser o melhor “não chinês” do ranking até junho. Dessa forma, ele só enfrentaria um chinês, grandes favoritos às medalhas, em uma hipotética semifinal.

Com boas campanhas recentes, incluindo final de WTT com vitória sobre chinês nas quartas de final, Hugo Calderano tenta ultrapassar o atleta te Taiwan Lin Yun-Ju para conquistar essa posição. De qualquer forma, se encaixar o jogo e estiver bem. Hugo pode sonhar com medalha olímpica

Tati Weston-Webb

A brasileira está entre as melhores surfistas do mundo ao longo das últimas temporadas e tem bom desempenho nas ondas de Teahopoo, no Taiti.

Tati Weston-Webb chegou à semifinal na última etapa da WSL disputada no palco dos Jogos Olímpicos de Paris.

Leia também


Participe dos canais do Itatiaia Esporte:

Hugo Lobão é repórter multimídia do portal Itatiaia Esporte. É formado em Jornalismo pela PUC Minas. Antes da Itatiaia, passou por Hoje Em Dia, Record e Globo Esporte. Amante de esportes olímpicos.
Leia mais