Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

Internações de crianças com pneumonia crescem mais de 70% em BH com a chegada do frio

Médica explica o que causa a pneumonia, como se prevenir e quais seus maiores riscos, especialmente para crianças e idosos

Crianças e idosos estão mais sucetíveis à pneumonia

Crianças e idosos estão mais sucetíveis à pneumonia

Pixabay | Reprodução

Hospitais de Belo Horizonte já estão sentindo reflexos das baixas temperaturas da última semana. O mês de maio, até a última atualização da Prefeitura de Belo Horizonte, registrou 111 hospitalizações de crianças e adolescentes por pneumonia, contra 65 internações em janeiro, pela Rede SUS-BH, o que corresponde um aumento de 74%.

A pneumonia é uma doença inflamatória aguda, de causa infecciosa, que acomete os espaços aéreos localizados nos pulmões. Ela pode ser causadas por vírus, bactérias ou fungos, segundo a médica pneumologista pediátrica Mariana Isadora Ribeiro Vieira.

Principais sintomas da pneumonia:

  • Tosse

  • Febre

  • Indisposição

  • Prostração

  • Esforço para respirar

  • Dor no peito

  • Dificuldade na fala

“No caso das crianças menores de 5 anos e idosos, a etiologia viral [doenças causados por vírus] assume grande parte dos casos, e por isso os cuidados de prevenção devem ser tomados. Lembrando que a famosa friagem, pisar no chão frio, tomar algo gelado, enfim, nada disso causa pneumonia, e sim esses microrganismos que nem vemos, mas fazem parte da nossa vida”, explica médica.

Pneumonia representa 50% das internações por doenças respiratórias em Minas Gerais

Por que casos de pneumonia aumentam no inverno?

Conforme a médica Mariana Isadora, o número de doenças infecciosas, especialmente as relacionadas à respiração, tendem a aumentar no inverno devido a uma mudança no nosso comportamento: com as baixas temperaturas, a tendência é deixar os ambientes fechados e menos arejados, o que auxilia na proliferação de microrganismos que causam doenças infeccionas.

Outro fator contribuinte é que diversos vírus circulam mais facilmente com baixas temperaturas, como o vírus da influenza, causador da gripe.

“Esses dois fatores facilitam a transmissão desses agentes infecciosos, já que estamos mais pertinhos um do outro e a transmissão é via gotículas. Como as crianças e idosos são mais vulneráveis, já que têm o sistema imunológico ainda em formação ou fragilizado por alguma doença crônica, essas faixas etárias merecem todo cuidado e atenção nessa época”.

Quais cuidados tomar para não ter pneumonia?

Alguns vírus, como o da gripe ou da Covid-19, podem causar quadros de pneumonias e, por isso, a melhor forma de prevenir a doença é se vacinando. Por isso, as melhores formas de prevenir a pneumonia, conforme a médica pneumologista Mariana Isadora, são:

  • Se vacinar contra gripe (vírus influenza), Covid-19 e meningite C (vacina pneumocócica);

  • Manter ambientes arejados e ventilados;

  • Higienizar bem as mãos;

  • Tomar sol frequentemente;

  • Manter alimentação saudável;

  • Beber muita água;

  • Fazer higiene nasal com soro fisiológico.

Quais os riscos da pneumonia?

A médica relembra, ainda, que é possível contrair a pneumonia mais de uma vez na vida: “Não temos imunidade duradoura para os patógenos [da pneumonia]. Contudo, em caso de 3 ou mais pneumonias, vale a pena uma investigação com seu médico para pesquisar a razão disso. Problemas na defesa dos pacientes, conhecidas como imunodeficiências primárias, devem ser pesquisadas nesses casos de recorrência”.

A pneumonia, segundo a médica Mariana Isadora, ainda é responsável por um alto número de mortes, especialmente entre idosos. A grande preocupação relacionada a doença é a evolução para um quadro de insuficiência respiratória.

“Devido ao nível de acometimento pulmonar é necessário ajuda para respirar, seja como oxigênio ou com algum tipo de ventilador. Outra complicação é a septicemia, também conhecida como infecção generalizada, quando a bactéria causadora da pneumonia também chega na circulação sanguínea, gerando problemas aos demais sistemas”.

O tratamento da pneumonia vai depender do causador da doença (vírus, bactéria ou fungo) e da gravidade do quadro. Enquanto pneumonias bacterianas e fúngicas necessitam do uso de antibiótico, nas virais são usados medicamentos para combater os sintomas. Em casos graves, há necessidade de uso de suporte de respiração.

Leia mais