Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

Mais de um terço das vendas do Brasil para a China saem de Minas; minérios e soja ‘puxam’ estatística

Balança comercial positiva é trunfo de empresários mineiros em missão internacional que mira atrair investimentos asiáticos

Soja é um dos produtos que pautam relação comercial entre Minas e a China

Soja é um dos produtos que pautam relação comercial entre Minas e a China

Gil Leonardi/Imprensa MG

Quase 36% de todos os produtos exportados pelo Brasil à China saem de Minas Gerais. O índice ajuda a amparar a comitiva de empresários do estado que desembarcou no país asiático nesta sexta-feira (3), no fuso-horário chinês. Segundo o Centro Internacional de Negócios (CIN) da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), o comércio entre Minas e a China movimenta US$ 20 bilhões.

As compras, por parte da China, de cargas de minérios e soja oriundos de Minas, ajudam a explicar a relação entre o estado e a nação da histórica muralha. O intercâmbio é pautado, ainda, pela exportação, ao país asiático, de itens como carne bovina, açúcar, cobre, celulose e carne de aves.

“As relações econômicas entre Minas e China não se limitam ao comércio externo. Os investimentos chineses expandiram no Brasil e, em particular no estado, com a instalação de empresas nos setores de máquinas e equipamentos, eletroeletrônicos e energia”, diz Alexandre Brito, do Centro Internacional de Negócios da Fiemg.

A balança comercial Brasil-China registrou movimento de US$ 150 bilhões em 2022. O país asiático é responsável por 26,8% das exportações brasileiras, além de ter papel fundamental em 22,3% do total de importações.

Captação de investimentos é objetivo

A comitiva de Minas que partiu rumo à China tem, além de emissários da Fiemg, a participação do governador Romeu Zema, do Novo. Como já mostrou a Itatiaia, um dos trunfos na busca pela atração de investimentos asiáticos é o “Vale do Lítio”, formado por cidades do estado com jazidas do mineral presente, por exemplo, nas baterias de carros elétricos.

“Quem quer, vai atrás. Quem não quer, fica esperando. Estamos indo para a Ásia — China e Japão — para mostramos, a muitas indústrias, que queremos que elas invistam em Minas Gerais”, disse Zema, nessa quinta-feira (2), à reportagem.

A Itatiaia está em solo chinês para acompanhar os movimentos de integração entre Minas Gerais e a China. Um dos momentos mais importantes da viagem será o “Brazil China Business Forum”, que servirá para mostrar, a empresários locais, as potencialidades do estado.

A cobertura da Missão Empresarial à China, que tem a participação do governador de Minas, é oferecimento da FIEMG. Essa iniciativa tem como patrocínio Master CODEMGE, CBMM, GERDAU, J.Mendes e VALE, e parceria Samarco e Arcellor.

Leia mais