Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

Agronegócio pede espaço no novo centro de Belo Horizonte

As fazendas verticais chegam como opção para reduzir áreas, aproveitando as construções velhas em desuso

O agronegócio mineiro merece seu espaço no novo Centro de BH

O agronegócio mineiro merece seu espaço no novo Centro de BH

Divulgação

Você ja imaginou ser um agricultor o agricultora com sua “fazendinha” na Praça Sete, coração de BH? Sem usar chapéu de palha e não sujar a botina de barro? As fazendas verticais já estão em vários cantos do mundo e breve chegam por aqui.

A prefeitura de BH tem um projeto bacana para recuperar o centro da cidade, novas moradias, trabalho e lazer. O prefeito Fuad Noman, tem recebido varias sugestões diárias e o agro poderia ser avaliado e entrar nesse projeto.

Ano passado escrevi sobre esses novos caminhos do Agro.

Em São Paulo já existem vários agricultores que não se movimentam mais nas suas “fazendas” por meio de cavalos ou tratores. Preferem o ar condicionado e os elevadores que os levam a cada departamento produtivo do seu edifício.

É a horticultura hidropônica, sem uso da terra, mínimo consumo de água. Modelo “indoor” da Agricultura. Clima controlado, ambiente ideal paras plantas. Luzes especiais tomam o lugar do sol.

Produz mais sem o uso de defensivos e o ano inteiro por não depender do clima lá fora.

Ainda em São Paulo, Pink Farms, Fazendas Cor de Rosa, alimento sustentável! E a dona de casa tem suas vantagens nesse novo estilo de agro. Alimentos entregues na sua porta não precisam ser lavados, bom demais, né?

Tudo com total higiene!

E tem mais comodidade! Você pode escolher um plano de assinatura mensal, onde se define os alimentos que serão usados no mês e os dias que vai recebê-los em casa. Chega tudo fresquinho, colhido horas antes da entrega!

Tem alface, couve, berinjela, agrião, melão, morango, tomate; tem de tudo! Até mudas de árvores e plantas ornamentais!

Exemplos de fazendas verticais pelo mundo:

Em Hubei Hubei, China, uma fazenda vertical com 26 andares, produz um milhão e 200 mil suínos por ano.

Em Wuhan, de onde saiu o vírus da covide-19, 21 edifícios em construção vão produzir mais de 2 milhões e 100 mil cabeças de porcos ano.

Em Paris, a prefeitura liberou os edifícios ociosos para produtores de cogumelos, e a entrega ao cliente é sustentável, vai de bicicleta.

Estados Unidos e Japão também tem suas fazendas verticais.

Em Dubai, a Fly Emirates tem um prédio próximo ao aeroporto onde está a fazenda vertical Bustânica, que produz 2 mil toneladas de hortaliças por dia. Abastece seus voos diários internacionais e ainda sobra para o consumo da população em Dubai.

Não precisamos ir tão longe, mas o agronegócio mineiro merece seu espaço no novo centro de BH. Evidente que seria utilizada uma tecnologia bem mais simples, pois ainda estamos distante das verdadeiras fazendas verticais. A agricultura Familiar agradece!

A Alagro - Academia Latino-Americana do Agronegócio - se coloca à disposição para de alguma forma participar desse evento, que será uma transformação histórica na vida de Belo Horizonte.

Produtor rural no município de Bambuí, em Minas Gerais, foi repórter esportivo por 18 anos na Itatiaia e, por 17 anos, atuou como Diretor de Comunicação e Gerente de Futebol no Cruzeiro Esporte Clube. Escreve diariamente sobre agronegócio e economia no campo.
Leia mais