Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

Policial baleado em BH: exames confirmam morte cerebral de sargento

Médicos realizaram testes para diagnosticar a morte encefálica do sargento Roger Dias da Cunha, baleado por um homem foragido da ‘saidinha de Natal’ no Novo Aarão Reis

pm operação baleado bh foto com bebê.jpg

Roger Dias da Cunha teve morte encefálica confirmada pelos médicos

Reprodução/Redes sociais | Imagens cedidas à Itatiaia

A morte cerebral do sargento Roger Dias da Cunha, baleado na cabeça na última sexta-feira (5) em Belo Horizonte, foi confirmada no início da noite deste domingo (7). O policial militar foi alvejado na cabeça por um jovem que estava foragido após ser beneficiado pela ‘saidinha de Natal’. Welbert de Souza Fagundes segue preso.

A Itatiaia apurou que a informação já foi divulgada entre os membros da corporação. Por meio de uma mensagem, o Coronel Rodrigo Piassi do Nascimento, que é Comandante-Geral da PMMG, confirmou a morte e lamentou o caso: ‘À família, amigos e companheiros de trabalho, expresso minhas condolências e ressentimento’.

O estado de saúde do sargento Roger Dias da Cunha já era considerado ‘irreversível’, mas, durante este domingo, o policial passou por uma série de exames para que a morte encefálica fosse confirmada. Esses testes incluem exames clínicos e de fluxo sanguíneo, entre outros procedimentos.

Sargento baleado

A ‘saidinha’, como é conhecida a saída temporária, ganhou relevância especial depois que um sargento da polícia militar foi baleado na sexta-feira (5). O suspeito do crime é um homem que estava em saída temporária da cadeia.

Welbert de Souza Fagundes, de 26 anos, é apontado como o responsável por disparar várias vezes à queima roupa contra a cabeça do sargento da Polícia Militar, Roger Dias da Cunha, na última sexta-feira, no bairro Novo Aarão Reis, Região Norte de Belo Horizonte.

O Sargento Dias passou por duas cirurgias assim que foi socorrido ao Hospital João XXIII - uma para conter a pressão intracraniana e outra para conter o sangramento na perna, pois a bala atingiu uma artéria.

Suspeito

Welbert tem 18 boletins de ocorrência registrados contra ele, por crimes como roubo, ameaça e tráfico de drogas. O Ministério Público foi contra a saída dele do sistema prisional, mas o benefício foi concedido pela juíza da Vara de Execuções Penais de Ribeirão das Neves, Bárbara Isadora Santos Sebe Nardy.

A juíza justificou sua decisão com base no atestado de conduta carcerária e disse que Welbert não havia cometido nenhuma falta grave, embora o Ministério Público tivesse apontado o episódio do furto de veículo. O MPMG recorreu da decisão junto ao Tribunal de Justiça e não recebeu nenhum retorno.

A Associação dos Magistrados Mineiros (Amagis) emitiu, neste domingo (7), comunicado em que disse ser “lamentável” vincular o ataque a tiros ao policial militar Roger Dias da Cunha à decisão que concedeu o benefício da saída temporária ao suspeito do crime. Segundo a entidade, o caso reflete problemas como a desigualdade social e a existência de uma sociedade “cada vez mais violenta”. Leia a nota na íntegra.

Prisão mantida

Neste domingo (7), Welbert de Souza Fagundes e outro suspeito de participação no crime, Geovanni Faria de Carvalho, de 34, tiveram a prisão em flagrante convertida para preventiva, após a realização de audiência de custódia no Fórum Lafayette, em Belo Horizonte.

Siga o canal da Itatiaia no WhatsApp. Clique aqui e faça parte!

Repórter policial e investigativo, apresentador do Itatiaia Patrulha.
Jornalista formado pela UFMG, com passagens pela Rádio UFMG Educativa, R7/Record e Portal Inset/Banco Inter. Colecionador de discos de vinil, apaixonado por livros e muito curioso.
Leia mais