Ouvindo...

Times

CPI da Minas Arena recebe assinaturas suficientes para ser instaurada

Comissão quer investigar contratos entre o Governo de Minas e a concessionária que administra o Mineirão

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Minas Arena recebeu 26 assinaturas a favor da instauração. Nesta sexta-feira (31), foi confirmada a 26ª assinatura favorável à investigação dos contratos celebrados entre o Governo de Minas e a empresa responsável pela administração do Mineirão.

Até essa quinta (30), eram 24 assinaturas a favor da CPI. Os 26 nomes representam um terço da Assembleia Legislativa do Estado (ALMG), número mínimo necessário para o andamento do processo.

Desde 2015, deputados mineiros tentam a abertura da Comissão para investigar os contratos. Eles ainda pedem a criação de uma comissão para, “no prazo de 120 dias, apurar eventual dano ao erário pelo estipulado e pela execução do contrato de parceria público-privada (PPP) firmado entre o Estado e a empresa Minas Arena”.

Um dos pontos citados diz respeito, ainda, à cláusula do contrato que “traz elevadas contraprestações para o Estado e lucro constante para a parceira, independente da busca por soluções alternativas para gerar renda”.

A análise do contrato entre Minas Arena e Governo de Minas foi pedida por deputados em três oportunidades nos últimos anos. Em 2015 e 2017, houve tentativas de instalação da CPI, mas sem sucesso por falta de assinaturas. Em 2019, a comissão chegou a ser aberta, mas não progrediu por falta de acordo com o executivo estadual.

Atualização: após a publicação da reportagem, uma das assinaturas foi retirada. Com isso, a CPI não pode ser instaurada até que 26 parlamentares - um terço da Casa - sejam favoráveis.

Denúncia de ameaças a parlamentares

Também nessa quinta, deputados denunciaram mensagens de ódio enviadas pelas redes sociais com ameaças exigindo a assinatura do documento. Ameaças de morte e ofensas a familiares também foram relatadas pelos parlamentares.

O deputado Alencar da Silveira Junior (PDT), presidente do América e um dos primeiros nomes a assinar o documento, fez duras críticas às diversas mensagens, afirmando nunca ter visto nada parecido em mais de 30 anos na vida pública.

Já nesta sexta, a ALMG confirmou ter acionado as forças de segurança do Estado para garantir a identificação dos torcedores que fizeram as ameaças.

“Diante de relatos referentes às graves ameaças sofridas por deputados estaduais, no exercício de suas atribuições, a Assembleia Legislativa de Minas Gerais acionou as forças de segurança do Estado com o objetivo de garantir rigorosa apuração dos fatos e a identificação dos criminosos”, afirma trecho da nota.

Jornalista formado na PUC Minas. Experiência com reportagens, apresentação e edição de texto em televisão, rádio e web. Vivência em editorias de Cidades e Esportes.