Ouça a rádio

Compartilhe

Estudante perde todo o dinheiro que tinha no Nubank após ter celular furtado

Foram R$ 6 mil transferidos em questão de minutos e, segundo ela, instituições financeiras têm se eximido da responsabilidade

Depois de ter celular furtado, contas da estudante foram invadidas

O pesadelo da estudante carioca Thamires Norberto começou na madrugada de sábado (28). Ela teve o celular furtado durante um show na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e viu suas contas bancárias serem invadidas e seu dinheiro ser transferido para terceiros pelos apps instalados no aparelho.

O smartphone, um iPhone XR, foi retirado de dentro da bolsa dela. “O show estava bem cheio. Eu não estava com o aparelho na mão, ele estava dentro de uma shoulder bag e foi retirado de lá.”

Como muitos já sabem, na madrugada de sexta-feira para sábado na made in ufrj durante o show do @xamaoficial furtaram meu celular. E seguindo o @MrVanDep mesmo tb nunca tendo feito algo assim, acho válido detalhar todo trauma e tormento bizarros que têm sido gerados desde então.

— Thamires Norberto (@thamsn) May 29, 2022

Ela ainda tentou rastrear o dispositivo, mas não conseguiu. Decidiu, então, bloquear as contas até obter um novo chip. E foi com o chip em mãos que ela percebeu o tamanho do prejuízo: os R$ 6 mil que tinha em uma poupança do Nubank haviam sido transferidos para uma desconhecida.

Thamires destaca que tanto o dispositivo quanto os apps tinham senha e elas eram diferentes. “Eu tinha PIN de bloqueio do celular + Face ID para acessar a tela inicial. Para entrar nos apps dos bancos e no WhatsApp, também era por Face ID. Para realizar transações, precisava da senha do cartão”, diz. “Mesmo assim, conseguiram resgatar R$ 6 mil da poupança e transferiram TODO o valor de R$ 6.400 para uma conta da @mercadopago”, conta no Twitter.

Tentativas de solução

A estudante conta, ainda, que tem uma loja virtual com uma amiga e que o Mercado Pago é a solução utilizada por elas. Os criminosos pegaram, então, uma reserva da loja: mais R$ 1 mil. Dali, o valor foi enviado para a conta de uma desconhecida no PagSeguro.

Segundo Thamires, apesar de apresentar todos os documentos solicitados pelo Nubank (inclusive um Boletim de Ocorrência) o Nubank não ofereceu solução para o furto do dinheiro, apenas disse que tinha bloqueado a conta. “Mesmo assim, ainda tinha um cartão virtual disponível. Se quisessem ter usado, o prejuízo seria ainda maior”, conta.

Ela questiona como a operação foi permitida, se não condiz com o perfil dela como cliente. “Depender de bancos como @nubank @MercadoPagoBR é estar fadado à completa insegurança e descaso. Tudo foi feito em poucos minutos, e se nunca fiz NADA parecido muito menos nessa magnitude, COMO PERMITIRAM? Que tipo de mecanismo de segurança é esse?”

Para a estudante, o pesadelo vai muito além do dinheiro. “É a impotência, a violação, o desespero, o medo, o trauma. Só queria conseguir resolver alguma coisa. Uso @nubank há anos e tudo o que os “roxinhos” fazem é se isentar de tudo o que aconteceu por falha deles”, desabafa.

E não foi só isso. Como é bolsista, Thamires recebe no Banco do Brasil. Ela conta que a senha de acesso ao app foi mudada, mas que o Banco do Brasil alega que isso não foi feito. “Sou mentirosa, então?”, questiona no Twitter. Ela destaca que isso pode acontecer com qualquer pessoa. “Não dá para confiar e ainda expuseram meus dados para essa quadrilha, que pode estar fazendo o que bem entender.”

Com a repercussão, Thamires recebeu ligações do Nubank e do Mercado Pago, que buscam entender melhor o que houve. “Falaram que estão acompanhando o caso e trabalhando ativamente. Além disso, pediram desculpas pelos atendimentos que tive. Imagino que seja uma tentativa de cessar meu desespero.”

O que dizem as empresas

Procurado pela reportagem da Itatiaia, o Nubank enviou seu posicionamento oficial. “Lamentamos o ocorrido e já estamos em contato com a cliente.” O Banco do Brasil, por sua vez, informa que “não há registro de troca de senhas para a conta que a estudante mantém na instituição. Em caso de dúvidas, e em razão do sigilo bancário, ela pode entrar em contato com o Banco para mais informações”.

O Mercado Pago informa que, assim que tomou conhecimento do caso, iniciou análise e está em contato para auxiliar a usuária. “Além disso, a empresa está em contato também com outras instituições financeiras citadas no relato e assim que recebeu solicitação de bloqueio dos respectivos valores tomou as medidas cabíveis”, diz nota oficial. 

A companhia diz que aguarda o retorno das demais instituições envolvidas para tomaremos outras medidas cabíveis se forem necessárias. “Para evitar danos causados por terceiros, decorrentes de furto, roubo ou outras situações não autorizadas pelo usuário, a empresa sempre recomenda o uso de autenticação biométrica para validação de operações no aplicativo”, destaca 

Em comunicado oficial enviado à reportagem, o PagSeguro informa que segue padrões rígidos de segurança. "No caso específico, tão logo tomou conhecimento do assunto via Twitter, o PagBank PagSeguro tentou contato com a estudante pelo Twitter para obter mais informações e localizar as contas envolvidas, mas sem retorno até o momento. A empresa aguarda contato da estudante para analisar o caso e avaliar providências."

Leia Mais

Mais lidas

Ops, não conseguimos encontrar os artigos mais lidos dessa editoria

Baixar o App da Itatiaia na Google Play
Baixar o App da Itatiaia na App Store

Acesso rápido