Ouvindo...

Times

Ser ou não ser?

É precisamente nos momentos em que sentimos algo de “podre no reino da Dinamarca” (Hamlet) que temos ainda mais dúvida sobre quem realmente somos e o que confere sentido à nossa passagem neste mundo

Um dos grandes imperativos do provocador e ácido filósofo Friederich Nietzsche: tornar-se o que se é. Para o pensador, a vida, no seu conflito e impermanência, vive em contínua afirmação de si. A vida para Nietzsche pulsa e nós, seres humanos, somos a parcela de vida que “pulsa consciente”, à procura de si. Para ele, nessa busca por sermos autores de nossa existência, a gente se encontra diante de conflitos, mudanças contínuas de perspectiva, do caos. É preciso ter Caos dentro de si, lembra Nietzsche, para dar à luz uma estrela dançante.

Luz, transformação, impermanência, parto... Seja Nietzsche em seu ferrenho ateísmo, ou Jesus Cristo, em seu anúncio de fé, chegaremos a conclusões parecidas sobre o fato de que a vida é um contínuo “parto”.

Dói ser quem se é. É por isso que boa parte das vezes, as pessoas dissimulam. Elas escondem a dor de “ser”, aquela mais originária, no cargo, nos excessos, no sexo, na religião... É tarefa muito difícil saber de si, sem paranoias, sem jogar a conta no colo da vizinha, sem “culpar os pais por tudo...”.

O desafio é tanto que, para a própria análise, nunca teremos uma noção acabada e exata de quem somos. O “eu” será sempre uma fantasia, um barco à deriva entre os boletos bancários, a festa tão esperada, à beira do abismo do olhar que nos reprova, do desamparo, da dúvida.

É precisamente nos momentos em que sentimos algo de “podre no reino da Dinamarca” (Hamlet) que temos ainda mais dúvida sobre quem realmente somos e o que confere sentido à nossa passagem neste mundo. Faz parte da dor profética e poética de ser saber mais do que se deve e menos do que é preciso. No caminho de “torna-se” o que se é, há o fosso da incerteza: “ser ou não ser, eis a questão?” (Hamlet).

Vem em nosso auxílio à beleza do texto bíblico da libertação do Egito. Ao receber o chamado, Moisés tem grandes dúvidas sobre sua capacidade, sobre em “nome de quem” anuncia, sobre se iria ou não convencer o Faraó.

Moisés aprende a duras penas. Faraós não se convertem são vítimas de si, por isso assassinam os outros. Deus, donde toda vocação recebe chamado, não tem nome próprio, mas só apropriado: é todo poderoso, mas também ternura, “Senhor dos exércitos”, mas também colo de mãe, Ele é “Santo” (separado), também relação, “Deus das frias de que livrei os vossos pais”.

A beleza desse relato bíblico reside precisamente na incapacidade humana, na falência das expectativas, no contraste entre o orgulho do faraó e a fraqueza de Moisés. Lá onde não fores, Moisés, diz o YHWH (Adonai), “ehyeh asher ehyeh” (Eu Sou o que Serei).

O segredo é esse: às vezes, não fazer nada, se permitir o privilégio da inutilidade, não ter o que dizer, nem como dizer, não saber o que fazer é a parte mais difícil, e é tudo...

Há um mistério de “não ser” no mundo, um pouco porque o “mal” que nos circunda é a ausência (ausência de carinho na infância, de afeto verdadeiro que fez a pessoa que nos fere agir como um filho de chocadeira), um pouco porque nem nós sabemos de nós o tudo que é preciso, somos ausentes de nós mesmos, por isso tanta neurose...

Enfim, do ser que “está" em mim e em ti, temos muito de “não ser” de “não saber”. Haja terapia e vodka para ser menos estranho a si... Deus tenha misericórdia de nós, nesse abismo do “não ser”, do “não poder” diante do qual às vezes estamos.

Consola-nos saber que “Ele Será"! Se a vida não trouxer sempre alegria, que ela nos traga a maturidade que surge do tormento. E, sobretudo, nos venha à tranquilidade de saber que uma coisa é o purgatório do “não ser e não saber”, que nos acompanha neste mundo, bem outra é o lugar reservado no inferno para “as mulheres que não se ajudam” (Madeleine Albright), para quem “trai os superiores e os amigos” (Dante) e para quem, como Iago de Otelo, até diz, mas não é o que parece ser...

Leia também


Participe dos canais da Itatiaia:

Pró-reitor de comunicação do Santuário Basílica Nossa Senhora da Piedade. Ordenado sacerdote em 14 de agosto de 2021, exerceu ministério no Santuário Arquidiocesano São Judas Tadeu, em Belo Horizonte.
Leia mais