Ouvindo...

Times

Quando é o Dia dos Namorados? Saiba a diferença entre a data brasileira e o ‘Valentine’s Day’

Data brasileira foi criada pelo publicitário João Doria em 1948

Seja em campanhas publicitárias ou em publicações nas redes sociais, quando se aproxima do dia 12 de junho, brasileiros apaixonados só pensam em uma coisa, o Dia dos Namorados. A data que representa para muitos uma chance de demonstrar amor pelo parceiro, no Brasil, não nasceu de forma espontânea, mas, sim, pelo esforço de um publicitário.

O nome do responsável pela data comemorativa é João Doria, dono da agência Standart Propaganda. Em 1948, ele foi contratado pela Clipper, uma loja de departamentos, para aumentar o número de vendas do mês de junho - uma época que costumava ser fraca para os comerciantes. Foi então que ele surgiu com uma campanha publicitária com os seguintes slogans: “Não é só com beijos que se prova o amor!” e “Não se esqueçam: amor como amor se paga”.

A ação foi um sucesso e impactou o comércio na época - o que fez com fosse decretado o mês de junho como o mês dos namorados. Próximo ao dia 13 de junho, data reservada para Santo Antônio, famoso por realizar o desejo daqueles que querem se casar, o dia escolhido para representar os amantes foi 12 de junho.

Para a especialista em tendências, Raquel Sodré, também há outra razão para a data ser celebrada em junho no Brasil. “Vários países do mundo comemoram o Dia dos Namorados. Mas, em muitos deles, a data é em 14 de fevereiro, Dia de São Valentim. Como já disse Jorge Ben Jor, no Brasil, ‘em fevereiro tem Carnaval’. Por isso, a data foi ‘migrada’ para um mês em que não havia outros grandes eventos para competir. Mas, o significado continua o mesmo: celebrar as relações amorosas”, explica

Por que os brasileiros aceitaram tão bem a proposta de João Doria?

Raquel Sodré destaca que a população brasileira é muito apegada às coisas, aos produtos. E, um dos motivos desse comportamento está na dificuldade acesso a itens de uma forma geral. “Basta lembrar, para quem tem mais de 30 e poucos anos, da escassez em que vivíamos nas décadas de 1980 e início dos anos 1990. Havia inúmeras coisas — de roupas a eletrônicos, passando por discos, cosméticos e até alimentos — que as pessoas só conseguiam comprar se fizessem uma viagem internacional”, reflete.

Por isso, os atos comprar e consumir produtos sempre tiveram uma conexão muito forte com a ideia de status social. “No Dia dos Namorados, dar um presente significa não só dar capital simbólico ao parceiro ou à parceira, mas também afirmar o seu próprio lugar de status, de quem consegue ter acesso àquele determinado bem que está presenteando ao outro”, esclarece.

Por isso, a data foi tão bem aceita por brasileiros, em geral.

Leia também

Dia dos Namorados x Valentine’s Day

Nos Estados Unidos, há uma data semelhante ao Dia dos Namorados do Brasil, o “Valentine’s Day”. Celebrado todos anos em 14 de fevereiro, os americanos também trocam presentes e homenagens durante essa data, no entanto, apesar do foco romântico, amigos e familiares também podem ser prestigiados nesse dia.

A data americana, diferentemente da do Brasil, possui origens antigas e não se sabe ao certo quando nasceu a tradição. A enciclopédia Britannica aponta duas origens para a data, a primeira é de que o “Valentine’s Day” é uma adaptação da festa romana Lupercália, que acontecia no meio de fevereiro. Nela, os romanos organizavam um festival para garantir a fertilidade, proteger a cidade e espantar os maus espíritos.

Já a segunda teoria sobre a origem do “Valentine’s Day” é justamente celebrar a vida de São Valentim, santo que dá origem ao nome da festividade. Reza a lenda, que quando Valentim ainda era padre, ele desafiou as ordens do imperador Cláudio II, o Gótico, e casou secretamente alguns casais para poupar os esposos da guerra. Dessa forma, a data é associada com o amor.


Participe dos canais da Itatiaia:

Ana Luisa Sales é estudante de jornalismo da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Na Itatiaia desde 2022, já passou por empresas como ArcelorMittal e Record TV Minas. Atualmente escreve para as editorias entretenimento, curiosidades e cidades.
Leia mais