Ouvindo...

Times

Aplicativo ‘Simulador de escravidão’ é removido da loja da Google

O Ministério Público abriu uma investigação por “discurso de ódio” neste aplicativo em português, que até o meio da semana teve mais de mil downloads

Um jogo de celular chamado “Simulador de escravidão”, que permitia comprar, vender e até torturar personagens negros, foi retirado pelo Google de sua loja de aplicativos, após gerar uma onda de indignação e a reação de autoridades no Brasil.

O Ministério Público abriu uma investigação por “discurso de ódio” neste aplicativo em português, que até o meio da semana teve mais de mil downloads na plataforma Playstore do Google.

No jogo, os participantes eram aconselhados a “usar os escravos para enriquecer”, ou “fazer todo o possível para evitar a abolição da escravatura, para acumular dinheiro”.

Segundo as regras de uso do aplicativo, o jogo foi “concebido exclusivamente para fins de entretenimento” e seus criadores “condenam qualquer tipo de escravidão”.

De acordo com o Ministério Público de São Paulo, o jogo foi produzido por uma empresa chamada “Magnus Games”.

Após removê-lo da loja na quarta-feira, o Google disse em um comunicado que “não permitimos apps que promovam violência ou incitem ódio contra indivíduos ou grupos com base em raça ou origem étnica”.

A empresa acrescentou que os internautas podem denunciar esse tipo de conteúdo.

O Ministério da Igualdade Racial disse ter entrado em contato com o Google para implementar medidas que permitam “um filtro eficiente para que discursos de ódio, intolerância e racismo não sejam disseminados com tanta facilidade e sem moderação em espaços virtuais”, segundo um relatório.

O racismo continua permeando a sociedade no Brasil, o último país das Américas a abolir a escravidão em 1888, e onde mais de 56% da população se identifica como afrodescendente.

“O Brasil é um dos países que é um dos principais consumidores das plataformas do Google, e ter um aplicativo que rememora o tempo da escravidão com bônus para quem tortura mais, para a venda de pessoas escravizadas, isso é um misto não só de racismo, como de fascismo”, condenou nesta sexta-feira a deputada Renata Souza (RJ-PSOL).

O Google já entrou em conflito com o governo no início deste mês, criticando abertamente — com links aparecendo em seu mecanismo de busca — o PL 2630/2020 (Projeto de Lei das Fake News), que busca regular as redes sociais e o conteúdo online no Brasil.

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou a abertura de inquérito por “campanha abusiva” contra o projeto, que será votado em breve pelo Congresso.

em centros de saúde e pontos extras com drogarias parceiras

AFP
Agence France-Presse é uma agência de notícias francesa, a AFP cobre a atualidade mundial com uma qualidade única de produção multimídia em vídeos, textos, fotos e infográficos em seis línguas.
Leia mais