Ouvindo...

Times

Atualização de rebanhos passa a ser obrigatória para criações de cavalos, cabras, ovelhas e outros; entenda

Medida, criada por meio de portaria do Instituto Mineiro de Agropecuária, visa fortalecer a defesa agropecuária do estado

O Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) quer compor um perfil detalhado a respeito dos rebanhos do estado, incluindo número de machos, fêmeas, nascidos vivos e número de óbitos. É que, por ‘culpa’ da portaria 2227, a campanha de Atualização de Rebanhos, realizada anualmente pelo órgão, está mais robusta ou ‘exigente’, se você preferir.

Outra novidade é a necessidade de atualização também de outras espécies, como: equinos, asininos (burros), muares (mulas), ovinos (ovelhas), caprinos, aves, suínos, animais aquáticos e abelhas. O prazo para o cumprimento da exigência termina em 30 de junho. Antes, a atualização dos dados era apenas para bovinos e bubalinos.

Leia também

Ter os dados da produção mineira atualizados, possibilita ao IMA um controle efetivo do quantitativo de animais existente no estado, para que, ao ser notificado de uma suspeita de doença, o órgão possa agir rapidamente. Essa atuação é chamada de defesa agropecuária e é o que garante a preservação da saúde dos animais, e a proteção da população e da economia do estado.

“Com o cadastro atualizado, se surgir qualquer suspeita de foco em qualquer dessas espécies, nós teremos condição de agir rápido, coletar amostras desses animais e mandar pra laboratórios. Só pra vocês terem uma noção, nós temos contrato de transporte aéreo de amostra para que a gente consiga ter um resultado rápido a fim de liberar a propriedade em questão e as do entorno, caso seja comprovado que se trata de uma falsa suspeita”, disse à Itatiaia o diretor-geral do Ima, Antônio Carlos de Moraes

Como deve ser feita a atualização?

A atualização deve ser feita preferencialmente de forma on-line no site do IMA, por meio do Portal do Produtor ou comparecendo a um dos escritórios do instituto ou postos conveniados. Aqueles que ainda não têm cadastro no portal podem requerê-lo digitalmente ou em uma das unidades da autarquia espalhadas pelo estado de Minas Gerais. Não há custos para este serviço.

E o que acontece com quem não atualizar?

Quem não cumprir a exigência fica impedido de emitir a Guia de Trânsito Animal (GTA), uma vez que a principal forma de transmissão de doenças entre animais é o trânsito.

Portaria 2227 estabelece novas exigências

Além de ampliar as espécies quem devem ser quantificadas, a portaria 2227, publicada pelo IMA em 2023, estabelece que o produtor também deve informar sobre a quantidade, o número de nascimentos, o número de óbitos por espécie, faixa etária e sexo e, também, realizar a evolução de idade de animais de faixas etárias superiores. Lembrando que o número de animais nascidos deverá ser compatível com o de fêmeas em idade reprodutiva existente na produção.

A declaração da vacinação de bovinos, bubalinos, equídeos, caprinos e ovinos, contra a raiva, também é solicitada durante a atualização de rebanhos. Ainda assim, produtores que não tenham vacinado seus animais contra esta doença podem declará-la posteriormente.
No ano passado, o IMA alcançou 80% de atualização de rebanhos.


Participe dos canais da Itatiaia:

Maria Teresa Leal é jornalista, pós-graduada em Gestão Estratégica da Comunicação pela PUC Minas. Trabalhou nos jornais ‘Hoje em Dia’ e ‘O Tempo’ e foi analista de comunicação na Federação da Agricultura e Pecuária de MG.



Leia mais