Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

Ucrânia ganha aliados e pressiona COI por suspensão de atletas russos e bielorussos

Pedido é que os atletas nascidos nos dois países não possam participar dos Jogos Olímpicos nem sob bandeira neutra

A declaração do Comitê Olímpico Internacional (COI) de que atletas “não podem ser banidos para sempre” de suas competições simplesmente pelo registro que carregam no documento não caiu bem para alguns países da Europa. Nesta segunda-feira (27), um dia antes de o congresso da entidade começar, Ucrânia e Polônia ganharam apoio de Estônia, Lituânia e Letônia para que russos e belarussos sigam impedidos de disputarem competições olímpicas enquanto não acabar a invasão russa à Ucrânia, mesmo como “neutros”.

O COI ainda não anunciou se russos e belarussos serão liberados para buscar vaga nos Jogos de Paris 2024 defendendo suas cores ou mesmo se terão de jogar sem bandeira na competição francesa. Entre terça e quinta-feira, o Comitê Executivo da entidade vai se reunir e deve debater o assunto.

Temendo uma derrota, Ucrânia, Polônia, Estônia, Lituânia e Letônia soltaram um comunicado conjunto cobrando a entidade que mantenha a suspensão enquanto a guerra não chegar ao fim.

"À medida que nos aproximamos da próxima reunião do Comitê Executivo do Comitê Olímpico Internacional, de 28 a 30 de março, gostaríamos de reiterar a posição da Ucrânia sobre os recentes apelos do COI para determinar maneiras para permitir que atletas russos e bielorrussos compitam como ‘neutros’”, inciou o comunicado, mostrando ser contra da presença dos “adversários” mesmo sem defender seu país como vem ocorrendo em torneios de tênis.

“Estamos profundamente convencidos de que agora não é o momento de considerar o retorno de atletas russos e bielorrussos aos Jogos Olímpicos de forma alguma. Embora o COI ainda não tenha tomado nenhuma decisão final, pedimos que reconsidere seus planos e retorne à sua posição original e comprovada, apoiada pela comunidade internacional”, pressionou os aliados, reprovando a justificativa de que nem todos têm culpa da guerra

Os países contrários justificam que muitos são financiados por seus governos e, desta manteira, têm, sim, relação com a invasão à Ucrânia. “Lamentamos que o COI tenha usado essas preocupações como desculpa para mudar radicalmente sua bem fundamentada posição anterior sobre a recomendação de excluir atletas e dirigentes russos e bielorrussos de competições esportivas internacionais. Gostaríamos de enfatizar que não é a nacionalidade dos atletas que determina seu papel, mas o fato de serem patrocinados/apoiados por seus governos ou por empresas que apoiam o regime do Kremlin que continua sua guerra agressiva contra a Ucrânia, ou mesmo que são diretamente militares russos “

Acompanhe as últimas notícias produzidas pelo Estadão Conteúdo, publicadas na Itatiaia.
Leia mais