Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

Daniel Alves oferece R$ 800 mil a denunciante para reduzir condenação

Após terceira negativa de liberdade provisória, Daniel Alves pagou indenização à jovem que o acusou de crime sexual na Espanha

Após ter o terceiro pedido de liberdade provisória negado, o brasileiro Daniel Alves pagou 150 mil euros (cerca de R$ 800 mil) à jovem que o acusa de crime sexual na Espanha. Conforme o jornal espanhol “Mundo Deportivo”, tanto Daniel como a defesa dele “começam a ver as coisas cada vez mais sombrias”.

“Isso significaria aplicar a medida atenuante de reparação dos danos, pelo que poderia ser imposta uma pena inferior a dois anos de prisão”, explicou a defesa do ex-jogador da Seleção Brasileira. Além disso, o advogado dele sugere a imposição de uma medida cautelar “menos onerosa”.

O Ministério Público da Espanha, por outro lado, considera que não há outra forma de evitar a condenação. Daniel Alves já sabe que a pena pedida é de nove anos de prisão, além da proximidade do julgamento, que deve acontecer entre o fim deste ano e o começo de 2024. Nessa segunda-feira (26), a Promotoria ainda revelou novos detalhes do caso.

Caso Daniel Alves

Preso desde o dia 20 de janeiro, em Barcelona, acusado de crime sexual, Daniel Alves está próximo de seu julgamento. Ele foi detido ao prestar depoimento sobre o caso de agressão sexual contra uma mulher na madrugada do dia 30 de dezembro de 2022.

O Ministério Público pediu a prisão preventiva do atleta, sem direito à fiança. A titular do Juizado de Instrução 15 de Barcelona acatou o pedido, ordenando a detenção.

Daniel Alves é acusado de abusar sexualmente de uma mulher na casa noturna Sutton, em Barcelona, na Espanha. O atleta, que defendeu a Seleção Brasileira na Copa do Mundo do Catar, teria trancado, agredido e estuprado a denunciante em um banheiro da área VIP da boate, segundo o jornal El Periódico. Ela procurou as amigas e os seguranças da balada depois do ocorrido.

A equipe de segurança da casa noturna acionou a polícia catalã (Mossos d’Esquadra), que colheu depoimento da vítima. Uma câmera usada na farda de um policial gravou acidentalmente a primeira versão da vítima sobre o caso, corroborando o que foi dito por ela no depoimento oficial.

A mulher também passou por exame médico em um hospital. Daniel Alves foi embora do local antes da chegada dos policiais.

Jornalista formado na PUC Minas. Experiência com reportagens, apresentação e edição de texto em televisão, rádio e web. Vivência em editorias de Cidades e Esportes.
Leia mais