Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

Em 24 horas, ação da PF sobre Bolsonaro é assunto politico mais comentado nas redes

A operação Verine conseguiu em menos de 24 horas quase 500 mil menções diretas nas redes e um alcance estimado de quase 30 milhões de interações

Além do alto volume, o caso chama atenção por conta do alto percentual de reações negativas

Além do alto volume, o caso chama atenção por conta do alto percentual de reações negativas

Fabio Rodrigues Pozzebom | Agência Brasil

A operação Verine, que levou a PF à casa do ex-presidente Bolsonaro por conta de uma possível falsificação de sua carteira de vacinação, conseguiu em menos de 24 horas quase 500 mil menções diretas nas redes e um alcance estimado de quase 30 milhões de interações nas redes. Além do alto volume, o caso chama atenção por conta do alto percentual de reações negativas: 81%. É, hoje, o assunto com o maior percentual de rejeição e mais comentado nas redes em um curto espaço de tempo.

Por incrível que possa parecer, o arcabouço fiscal ocupava o primeiro lugar no ranking de assuntos mais comentados até ontem. Só no dia 30/03, período de coleta da informação, tinhamos observado 301 mil menções e alcance de 17.2 milhões de interações nas redes. O arcabouço conseguiu boa repercussão, já que 53% das postagens foram positivas, aprovando o conteúdo.

O 3º assunto mais comentado nas redes foi o episódio das jóias da família Bolsonaro. Quase 300 mil menções diretas na semana do ocorrido e quase 17 milhões de alcance. Esse era até ontem o evento mais negativo para o ex-presidente Bolsonaro, já que 60% das menções foram críticas a ele.

Em 4º lugar está a taxação dos importados, que teve repercussão negativa (78%). Foram 280 mil menções e alcance de 16.1 milhões de interações no Twitter, Facebook e Instagram sobre o tema.

Os 100 dias do Governo Lula ocupam a 5ª posição do ranking. O assunto recebeu 220 mil menções espontâneas nas redes, alcançando 12.6 milhões de interações. O evento teve boa repercussão, com quase 70% de menções positivas.

Mesmo com uma força digital muito superior a do governo, a oposição parece ter sido engolida pela gravidade dos fatos (na opinião do próprio público digital).

Ou seja, é hora do governo se calar e deixar que a oposição tente se explicar. A oposição, por outro lado, precisa reagir rápido para não deixar que a narrativa contrária pegue, tanto na comunicação tradicional (que continua dando espaço a Bolsonaro como ex-presidente popular que é) e na comunicação digital (onde ele e sua tropa tem muita força pra mostrar).

Felipe Nunes é Ph.D. em ciência política e mestre em estatística pela Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA). É professor de Ciência Política na UFMG e sócio-fundador da Quaest. É especialista em pesquisa de opinião e é o inventor do Índice de Popularidade Digital (IPD). Recebeu prêmios da American Political Science Association, da Divisão de Doutores da UCLA, da Comissão Fulbright, da Fundação Lemann, do CEPESP-FGV e do Clube de Marketing Político (CAMP).
Leia mais