Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

Café produzido em Sabará, na Grande BH, é eleito o melhor do ano em Minas

Foram inscritas mais de 1500 amostras de três regiões diferentes do estado

Café de Sabará é melhor de Minas

Mamédio Martins do Santos é o produtor do café eleito o melhor de Minas

Felipe Quintella/ Itatiaia

Um café produzido em Sabará, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, foi eleito o melhor do ano em Minas Gerais. Mamédio Martins dos Santos, de 54 anos, foi o produtor vencedor. A premiação do concurso de qualidade dos cafés aconteceu na tarde desta segunda-feira (11), na sede da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater), no bairro Gutierrez, na região Oeste da capital.

Foram inscritas mais de 1500 amostras, de três regiões diferentes do estado: Sul de Minas, Cerrado Mineiro e Matas de Minas. Além do prêmio em dinheiro, uma rede de supermercados da capital vai comprar o café produzido por Mamédio e revender em suas unidades, destacando a história do produtor na embalagem.

Mamédio, que vive em Sabará, afirmou, em entrevista à Itatiaia, que se sente honrado com o prêmio. Ele produz café em sua propriedade com a ajuda de sua família desde os oito anos de idade.

“Quem mexe com café lá em casa sou eu mesmo e minha família, meus meninos. De vez em quando eu pago uma pessoa para ajudar quando aperta o serviço”, afirma.

“Esse prêmio muda muita coisa. Meu café vai ficar reconhecido não só em Minas Gerais, mas no Brasil todo. Para mim é muito importante isso”, emociona-se.

Produção de café em Minas

O coordenador técnico estadual da Emater, Willian de Araújo, destaca que mesmo com os últimos dois anos difíceis, devido as condições climáticas, o período de colheita e o clima ajudou as lavouras a produzirem dentro do esperado. “Esse ano em Minas Gerais mais de 28 milhões de sacas foram produzidas”, disse o especialista.

Para a próxima safra a expectativa é que o resultado desse ano se repita. “A gente vê a confiança do cafeicultor. Ele tá muito confiante trabalhando. E nós esperamos que o ano que vem a gente consiga produzir um café bom uma quantidade excelente e que o preço alcance um valor maior do que tá hoje, para remunerar satisfatoriamente o nosso cafeicultor”, destacou Araújo.

Com 20 anos de concurso, o coordenador contou que foi uma surpresa um café de Sabará, entre 600 municípios, ganhar o prêmio. “Você vê a dificuldade da gente enquadrar esse café mas a importância que não é só econômica, mas a gente descobrir essas raridades. Cada município tem uma característica”, completou Araújo.

Formado em jornalismo pela PUC Minas, foi produtor do Itatiaia Patrulha e hoje é repórter policial e de cidades na Itatiaia. Também passou pelo caderno de política e economia do Jornal Estado de Minas.
Leia mais