Ouvindo...

Times

Ucrânia denuncia maior ataque com drones russos desde o início da invasão

Neste sábado de manhã, a Força Aérea da Ucrânia afirmou ter derrubado 71 drones de ataque Shahed de fabricação iraniana lançados pela Rússia

A capital da Ucrânia, Kiev, foi alvo, na madrugada deste sábado (25), do maior ataque russo com drones desde o início da invasão em fevereiro de 2022, deixando cinco feridos e dezenas de edifícios sem eletricidade.

O bombardeio ocorreu no dia da comemoração na Ucrânia do Holodomor, a grande fome da década de 1930, durante a era soviética, considerada um “genocídio” orquestrado por Joseph Stalin, que resultou na morte de milhões de ucranianos.

Neste sábado de manhã, a Força Aérea da Ucrânia afirmou ter derrubado 71 drones de ataque Shahed de fabricação iraniana lançados durante a noite pela Rússia. “A maioria deles foi destruída na região de Kiev”, afirmou.

Cinco pessoas, incluindo uma criança de 11 anos, ficaram feridas, disseram autoridades locais, garantindo que foi o “ataque mais massivo desde o início da invasão” da Ucrânia.

O alerta aéreo na capital durou seis horas, e a queda de destroços de drones causou incêndios e danos em vários prédios, acrescentou o prefeito de Kiev, Vitali Klitschko. “O inimigo continua semeando o terror”, lamentou.

O ataque também causou cortes de energia em larga escala na capital, após a ruptura de “uma linha de alimentação elétrica”, segundo o Ministério de Energia do país, onde as temperaturas estão abaixo de zero.

Jornalistas da AFP viram moradores limpando vidros no distrito Dniprovsky, onde também havia ambulâncias.

Escolha “simbólica”

Viktor Vassylenko, um residente de 38 anos, disse que tentou acalmar sua filha pequena durante toda a noite durante o ataque, presa pelo “pânico e náuseas”. “Minha esposa pensou que a casa desabaria ao meio”, acrescentou.

À medida que o inverno se aproxima, Kiev teme uma nova campanha massiva de bombardeios russos contra suas infraestruturas energéticas, uma situação semelhante à do inverno de 2022, quando milhões de pessoas ficaram sem eletricidade em meio a uma onda de frio.

De acordo com as autoridades ucranianas, a Rússia tomou a decisão “simbólica” de lançar este grande ataque no sábado porque a Ucrânia comemorava o Holodomor. Segundo Moscou, a tragédia histórica causou vítimas não apenas ucranianas, mas também russas, cazaques e de outras nacionalidades, em um contexto de coletivização das terras.

“Mais de 70 [drones] Shahed durante a noite da comemoração do Holodomor (...) Os líderes russos estão orgulhosos de sua capacidade de matar”, disse o presidente ucraniano, Volodimir Zelensky.

Em comunicado posterior, o chefe de Estado considerou “impossível esquecer, compreender e, acima de tudo, perdoar os horríveis crimes de genocídio que os ucranianos sofreram no século XX” durante o Holodomor.

“Eles tentaram nos subjugar, nos matar, nos exterminar”, acrescentou. “Falharam”.

Cereais

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, afirmou em uma mensagem comemorativa do Holodomor que “as infraestruturas agrícolas da Ucrânia estão novamente sendo um alvo deliberado” da Rússia.

A exportação de cereais ucranianos tem sido prejudicada pela guerra.

A Ucrânia conseguiu exportar sua produção agrícola pelo Mar Negro por quase um ano por meio de um acordo com a Rússia. Mas em julho, Moscou encerrou o acordo e bombardeou repetidamente as infraestruturas portuárias ucranianas.

Desde então, Kiev estabeleceu um novo corredor no Mar Negro, mas continua pouco utilizado devido aos riscos enfrentados pelos navios.

As exportações agrícolas ucranianas também têm causado tensões nos países vizinhos da União Europeia e, em particular, na Polônia, onde caminhoneiros e agricultores bloquearam cruzamentos fronteiriços por vários dias.

Zelensky reconheceu neste sábado “dificuldades” na fronteira, questionando “certas decisões políticas tomadas pelos vizinhos” de seu país.

AFP
Agence France-Presse é uma agência de notícias francesa, a AFP cobre a atualidade mundial com uma qualidade única de produção multimídia em vídeos, textos, fotos e infográficos em seis línguas.
Leia mais