Ouvindo...

Times

Palmeiras: Na Seleção, Endrick relembra caso de racismo na infância

Joia de 17 anos falou sobre momento sofrido quando era criança

A Seleção Brasileira enfrenta a Argentina nesta terça-feira (21), às 21h30 (de Brasília), no Maracanã, válido pelas Eliminatórias da Copa do Mundo 2026. O atacante Endrick falou em entrevista coletiva, relembrou caso de racismo sofrido durante a infância e o momento que vive no futebol.

Racismo na infância

“Era 1 a 1, um jogo em Brasília, eu fiz o gol da virada e fui comemorar. Os pais dos garotos do outro time, acho que subiu raiva no coração deles, começaram a me chamar de macaco, fazer gestos obscenos. De pequeno, eu não sabia. Minha tia foi na polícia, fez o boletim de ocorrência, mas não deu em nada. Quando fiquei sabendo, deixei nas mãos de Deus. As pessoas que fazem isso com Vini ou que fazem na Libertadores, que acontece bastante também, Deus vai pesar a mão, fazer o que for preciso para essas pessoas melhorarem ou vai acontecer algo pior quando Ele voltar”, contou Endrick em entrevista coletiva na Granja Comary.

No Dia da Consciência Negra, neste 20 de novembro, o atacante comentou os casos de racismo que o companheiro de Seleção, Vinicius Junior, tem sofrido na Espanha.

Vini não estará disponível para o clássico contra a Argentina nesta terça-feira (21), por lesão sofrida na derrota contra a Colômbia.

Conquistas aos 17 anos

Endrick recebeu a primeira convocação com a camisa da Seleção Brasileira para disputa da 5ª e 6º rodada das Eliminatórias da Copa do Mundo de 2026. Artilheiro do Palmeiras no Brasileiro de 2023, o jogador de 17 anos foi o mais novo da história do Verdão a jogar, além do quarto mais novo da história.

"É muita coisa né, cara? Eu agradeço a Deus por tudo isso que ele me proporciona. Se tudo isso está acontecendo na minha vida é porque eu consigo aguentar, eu vou conseguir vencer. Tem a pressão, tem o fato de já ter sido negociado com o Real Madrid, o fato de eu já estar na Seleção. Muitas coisas que, querendo ou não, causam muita pressão. Mas sei que Deus está comigo, ele vai fazer eu passar por tudo isso. É isso o que quero fazer, quero me tornar um garoto muito forte”, comemorou.

Seleção com Diniz

Endrick não treinou entre os titulares com Fernando Diniz, e corre por fora por vaga no ataque mesmo com lesão do atacante Vinicius Junior.

“Espero poder contribuir, ajudar a nossa Seleção, ainda mais diante da nossa torcida. O apoio deles vai ser fundamental para a busca da nossa vitória”, afirmou, elogiando o técnico Fernando Diniz.

“É um excelente treinador, tenho essa felicidade de treinar com ele. Ele falou para eu ir para frente, atacar, se perder a bola não tinha problema. Depois que ele falou aquilo, fiquei mais leve, mais tranquilo. Espero que ele possa dar muito orgulho para a nossa Seleção”, finalizou.

Jornalista fascinado por futebol de base e análise de desempenho. Faz a cobertura de São Paulo e Palmeiras na Itatiaia após passagens por ESPN, Globoesporte.com e Band.
Leia mais