Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

COI promete barrar candidaturas de países que suspenderem atletas por ‘política’

Aviso foi feito por Kolinda Grabar-Kitarovic, ex-presidente da Croácia e dirigente do Comitê Olímpico Internacional

O Comitê Olímpico Internacional (COI) deve barrar candidaturas olímpicas de países que suspenderem atletas por “motivos políticos”.

O aviso foi feito por Kolinda Grabar-Kitarovic, ex-presidente da Croácia e dirigente do Comitê Olímpico Internacional (COI), neste domingo, segundo dia do encontro anual da entidade, que está sendo realizado em Mumbai, na Índia.

A croata fez um discurso para líderes esportivos mundiais e afirmou que o COI está preocupado com a “crescente politização do esporte”. Ela não citou nenhum caso específico, mas há alguns exemplos claros, como as posturas recentes de Polônia e Indonésia, países que já manifestaram publicamente o desejo de sediar a Olimpíada de 2036, diante de questões políticas internacionais.

Por causa da invasão da Rússia à Ucrânia, a Polônia se recusou a deixar atletas russos competirem nos Jogos Europeus deste ano, disputados em Cracóvia e outras cidades da região de Voivodia, contrariando a recomendação do COI para a liberação de russos em competições como atletas neutros, como deve ocorrer nos Jogos de Paris-2024. A Indonésia, por sua vez, receberia a Copa do Mundo Sub-20 em maio deste ano, mas o evento não pôde ser realizado porque houve resistência de líderes políticos e da população, majoritariamente muçulmanos, à entrada da seleção israelense no país.

“Nós estamos testemunhado cada vez mais restrições governamentais sendo aplicas ao acesso de atletas a competições esportivas internacionais. Qualquer infração da Carta Olímpica tem de ser levada em consideração em todos os estágios de diálogo para as candidaturas. É importante que todas as partes interessadas e potenciais anfitriões se comprometam a cumprir o código de ética e regras de conduta do COI”, afirmou Grabar-Kitarovic.

De acordo com ela, uma decisão sobre a sede de 2036 “não deve ser tomada antes de 2026 e 2027". A escolha, portanto, será feita pela próxima gestão, já que o mandato do atual presidente do COI, Thomas Bach, termina em 2025. Existe, contudo, uma mobilização para que ele continue no poder. Mais cedo neste domingo, vários membros do COI perguntaram se Bach poderia permanecer como presidente por um mandato extra de quatro anos até 2029, o que exigiria uma mudança nas regras olímpicas, provavelmente em julho, às vésperas dos Jogos de Paris-2024.

Além de Indonésia e Polônia, há interesse manifestado de México, Turquia e Índia em sediar os Jogos de 2036. As duas próximas olimpíadas depois de Paris-2024 já têm sedes definidas. A edição de 2028 será em Los Angeles, nos Estados Unidos. Na sexta-feira, inclusive, o COI aceitou o pedido do comitê organizador para incluir beisebol/softbol, críquete, flag football, squash e lacrosse como esportes adicionais em 2028. Já os Jogos de 2032 serão disputados em Brisbane, na Austrália.

(com agências)

A Rádio de Minas. Tudo sobre o futebol mineiro, política, economia e informações de todo o Estado. A Itatiaia dá notícia de tudo.
Leia mais