Ouvindo...

Times

Caso ‘Tio Paulo': mulher que levou cadáver ao banco irá continuar presa, decide Justiça

Érika de Souza Vieira Nunes, de 42 anos, levou o cadáver do tio, identificado como Paulo Roberto, de 68 anos, para retirar um empréstimo de R$ 17 mil; mulher foi presa em flagrante

A Justiça do Rio de Janeiro decidiu, em audiência de custódia realizada nesta quinta-feira (18), manter a prisão de Érika de Souza Vieira Nunes. A mulher foi presa em flagrante após levar o tio morto até uma agência bancária em Bangu, na Zona Oeste do Rio, para tentar pegar um empréstimo no valor de R$ 17 mil.

Durante a audiência, a defesa da mulher, representada pela advogada Ana Carla de Souza Côrrea, pediu a liberdade provisória de Érika. A defesa alega que a suspeita tem uma filha de 14 anos com deficiência e que precisa cuidar dela.

Porém, a pedido do Ministério Púbico do Rio de Janeiro, a juíza Rachel Assad da Cunha decretou a prisão preventiva da suspeita. Érika responde pelos crimes de furto e vilipêndio de cadáver.

IML não conseguiu concluir se idoso foi já levado sem vida ao banco

Na quarta-feira (17), o IML emitiu o laudo do exame feito no corpo do Idoso. Os peritos não conseguiram concluir se Paulo Roberto Braga 68 anos já foi levado sem vida a agência. Segundo o documento, não há elementos seguros para afirmar se ele faleceu no trajeto, no interior da agência bancária, ou se foi levado já morto a instituição bancária.

O laudo apontou ainda que Paulo morreu entre as 11h30 e 14h30 de terça-feira (16), por broncoaspiração de conteúdo estomacal e falência cardíaca. O corpo da vítima permanece no IML. Parentes conseguiram na Justiça gratuidade para realização do enterro que ainda não tem data para ocorrer.

Leia também

Entenda o caso

O caso ocorreu na terça-feira (16). Érika de Souza Vieira Nunes, de 42 anos, levou o tio, Paulo Roberto, de 68 anos, para retirar um empréstimo de R$17 mil em uma agência do bairro de Bangu.

Imagens de câmeras de segurança mostram os momentos que antecederam a chegada dos dois a agência. Primeiramente eles vão a um shopping também em Bangu, onde chegam num carro por aplicativo. Érika passeia pelo shopping com Paulo, que está numa cadeira de rodas, e a todo momento a cabeça do idoso fica tombada para o lado. Érika tenta fazer um empréstimo numa loja, mas sem sucesso, e então sai do local e segue para uma agência bancária, localizada a 500 metros do shopping.

Na agência, ela tenta interagir com Paulo e até insisti pra que ele assine um documento, mas o idoso não reage. Desconfiados da aparência do idoso, funcionários da agência acionaram médicos do Samu, que atestaram o óbito.

Motorista de app foi ouvido

Érika foi presa em flagrante. A polícia já ouviu o motorista de aplicativo que disse que ela teve ajuda de um homem para colocar o idoso dentro do carro.

O motorista também afirmou não ter notado nada de estranho na viagem. A defesa de Érika diz que ela é inocente e que o idoso foi levado com vida à agência. Érika vai responder por furto e vilipêndio de cadáver. A polícia aguarda exames complementares pra atestar se o idoso recebeu alguma substância anterior a chegada a agência.


Participe dos canais da Itatiaia:

Diana Rogers tem 34 anos e é repórter correspondente no Rio de Janeiro. Trabalha como repórter em rádio desde os 21 anos e passou por cinco emissoras no Rio: Globo, CBN, Tupi, Manchete e Mec. Cobriu grandes eventos como sete Carnavais na Sapucaí, bastidores da Copa de 2014 e das Olimpíadas em 2016.
Fernanda Rodrigues é repórter da Itatiaia. Graduada em Jornalismo e Relações Internacionais, cobre principalmente Brasil e Mundo.
Leia mais