Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

Vice-governador demonstra preocupação com escassez de mão de obra qualificada no agro

Durante participação na Femec, em Uberlândia, professor Mateus disse que a formação de bons profissionais é o maior desafio para que o PIB continue progredindo na mesma velocidade dos últimos anos

Os progressos e desafios do agro foram abordados pelo vice-governador de Minas Gerais, professor Mateus, durante a abertura da 11ª edição da Feira do Agronegócio Mineiro (Femec), ontem (1), em Uberlândia, no Triângulo Mineiro.

Logo após a abertura, ele ministrou a palestra “Os Impactos do agronegócio no Produto Interno Bruto (PIB)” e disse que “temos alcançado resultados impressionantes”. Segundo ele, o PIB agrícola de Minas Gerais tem batido recorde atrás de recorde nos últimos anos. Ultrapassamos R$ 1 trilhão de PIB pela primeira vez, e 11% do crescimento se deve ao agronegócio, que está quase empatando com o nosso PIB de mineração”.

Ele também lembrou que o segmento tem uma contribuição importante relacionada ao sucesso dos índices de ocupação no mercado de trabalho em Minas, conforme dados do Novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

‘Não teremos apagão tecnológico’

No entanto, ponderou que é preciso haver uma cooperação para que essa performance se mantenha. “Nosso desafio é a formação de mão de obra qualificada no setor, para não sofrermos no futuro o que a indústria já vivencia hoje”, alertou.

“Esse, talvez, seja o maior desafio para que o PIB do agronegócio mineiro continue progredindo na mesma velocidade dos últimos anos. Porque continuamos tendo terras disponíveis por conversão de pastagens degradadas. Não teremos apagão tecnológico, nem na parte de genética, nem de maquinários, como podemos observar aqui na Femec. Mas não estou vendo a chegada da mão de obra qualificada da forma como precisamos”, disse professor Mateus.

O vice-governador também reforçou a importância da parceria entre o setor, prefeituras e o Governo de Minas para promover qualificação e ampliar oportunidades de trabalho e renda. Exemplo é o Trilhas de Futuro, programa de ensino técnico gratuito, da Secretaria de Estado de Educação (SEE/MG), que oferece vagas em cursos profissionalizantes para jovens estudantes.

Estímulos

A feira promove exposição e comercialização de lançamentos das principais marcas de máquinas, equipamentos, implementos e insumos agrícolas do país, e está sendo realizada até sexta-feira (5/4), com apoio do Governo de Minas por meio da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa-MG), da Emater-MG e do BDMG.

Para o secretário de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais (Seapa-MG), Thales Fernandes, “o agronegócio só precisa de um governo que reduza a burocracia e facilite a vida do produtor rural e o nosso papel no Estado é estar ao lado dos produtores para seguirmos avançando, gerando renda e empregos para os mineiros”, pontuou.

Temática dos biocombustíveis permeia a feira

A Femec é promovida pelo Sindicato dos Produtores Rurais de Uberlândia e tem como tema em 2024 “Biocombustíveis: A nova energia vem do campo”.

O papel da indústria do agro na transição energética é muito importante. Temos que lembrar às pessoas que não estão na fazenda que o produtor rural é o grande conservador dessas áreas, responsável por garantir a qualidade da água, e que há muito a ser feito em parceria com esse produtor rural, que é quem alimenta a nossa população”, disse o vice-governador de Minas.

A abertura da feira também contou com as presenças do governador de Goiás, Ronaldo Caiado e do prefeito de Uberlândia, Odelmo Leão.

(*) Com informações da Agência Minas.

Leia também

Participe dos canais da Itatiaia:

Maria Teresa Leal é jornalista, pós-graduada em Gestão Estratégica da Comunicação pela PUC Minas. Trabalhou nos jornais ‘Hoje em Dia’ e ‘O Tempo’ e foi analista de comunicação na Federação da Agricultura e Pecuária de MG.



Leia mais