Ouvindo...

Times

Titi, ferido em atentado ao Fortaleza, sobre acusados soltos: 'É inacreditável’

Na semana que o time cearense volta ao Recife, para enfrentar o Sport, sete suspeitos de atacar ônibus há três meses foram libertados; semi do Nordestão é no domingo (26)

Titi foi um dos seis jogadores do Fortaleza ferido no atentado sofrido ao ônibus da delegação, com pedras e uma bomba caseira, em 21 de fevereiro por membros de uma torcida organizada do Sport. Pouco mais de três meses depois, o elenco cearense voltará ao Recife para enfrentar o rival pernambucano, no próximo domingo (26), pela semifinal da Copa do Nordeste. O jogo começa às 18h (de Brasília).

E na semana que o Tricolor do Pici retorna ao local do crime, sete suspeitos de participarem do ataque foram soltos, por determinação da Justiça. Eles precisam respeitar medidas cautelares, como não irem a jogos do Sport e não frequentarem espaços da Torcida Jovem do Leão. Para Titi é algo inacreditável.

É triste e inacreditável a gente ter vivido tudo aquilo naquela noite e na semana do jogo ver eles soltos. A gente sempre espera um clima hostil, mas com muito respeito. Nós sempre respeitamos muito os adversários aqui, esperamos ser recebidos da mesma forma em qualquer outro Estado e não estamos preparados para viver aquilo que vivemos”, disse o zagueiro.

Titi diz que mesmo passado algum tempo ainda revive na cabeça os momentos de medo que passaram naquela noite, após empate por 1 a 1 pela fase de grupos da Copa do Nordeste, na mesma Arena de Pernambuco que receberá o confronto deste domingo (26).

“Tudo o que aconteceu naquela triste noite, só nós sabemos o que vivemos lá. Se eu tentar encontrar palavras para explicar os sentimentos que temos, faltariam palavras e não consigo dimensionar. A todo momento que entro em um ônibus e me desloco para jogar ou retornar, ainda vem aquela lembrança. Vivemos um dos momentos mais tristes da história recente do Fortaleza”, afirmou o zagueiro, um dos capitães da equipe.

Seis jogadores ficaram feridos: além de Titi, o goleiro João Ricardo, os laterais Gonzalo Escobar e Dudu, o zagueiro Brítez e o volante Lucas Sasha. Escobar, que já deixou o clube para jogar no Santos, apresentou o caso mais grave, com um profundo ferimento no supercílio e cortes no rosto. Todos passaram por hospitais no mesmo dia e foram liberados.

Entenda o caso

A soltura dos sete suspeitos ocorreu após a Justiça entender que não havia necessidade de colocá-los em prisão preventiva. Os homens estavam presos de forma temporária por 30 dias, e a Polícia Civil pediu prorrogação por mais 30 dias antes de solicitar a preventiva. Duas pessoas ainda não foram encontradas e são consideradas foragidas.

A 2ª Vara do Tribunal do Júri da Comarca de Jaboatão dos Guararapes, ao conceder a liberdade aos sete suspeitos, aplicou algumas medidas cautelares:

  1. Não se ausentarem da Região Metropolitana do Recife – RMR, por mais de 15 (quinze) dias, sem prévia comunicação à Justiça;
  2. Comparecimento bimestral em juízo, para atualizar o endereço para onde deverão ser dirigidas as futuras comunicações processuais;
  3. Afastamento imediato da Torcida Jovem do Leão, estando proibidos de comparecerem ao espaço físico destinado àquela organização, devendo manter distância mínima de 200 (duzentos) metros do Barracão, sede ou subsede, ou de se reunirem com os outros integrantes da agremiação denunciados, em qualquer espaço físico ou virtual, devendo, também, manter, um do outro, a mesma distância mínima obrigatória acima mencionada;
  4. Impossibilidade de participação nos grupos virtuais, inclusive do WhatsApp, criados e/ou utilizados pela Torcida Jovem do Leão, ou por integrantes desta associação, para debater assuntos específico da agremiação;
  5. Impossibilidade de comparecimento presencial aos jogos do Sport Club do Recife, seja ele realizado em qualquer Estado da Federação;
  6. Impossibilidade de contato, por qualquer meio, com as testemunhas destes autos, devendo manter distância mínima de 200 (duzentos) metros.

Nenhum deles, portanto, poderá estar presente no jogo do domingo. A Operação Hooligans foi deflagrada no dia 15 de março. Inicialmente, prendeu três suspeitos ligados à Torcida Jovem do Leão, principal organizada do Sport. No dia 20 daquele mês, o quarto suspeito foi encontrado.

A corporação entendeu, após investigações, que o ato foi premeditado. Depois, em 3 de abril, o presidente e o vice da Jovem também foram presos.

O sétimo suspeito foi apreendido no dia 24 de abril, na cidade de Camaragibe, na Região Metropolitana do Recife (PE).

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), após punir o Sport com oito jogos de portões fechados, recuou da decisão. No dia 9 de abril, reduziu a pena para quatro jogos e estabeleceu que apenas parte da Arena de Pernambuco (25%) ficaria fechada. O Leão da Ilha já cumpriu a punição.

Leia também


Participe dos canais do Itatiaia Esporte:

Formado em jornalismo pela PUC-Campinas em 2000, trabalhou como repórter e editor no Diário Lance, como repórter no GE.com, Jornal da Tarde (Estadão), Portal IG, como repórter e colunista (Painel FC) na Folha de S. Paulo e manteve uma coluna no portal UOL. Cobriu in loco três Copas do Mundo, quatro Copas América, uma Olimpíada, Pan-Americano, Copa das Confederações, Mundial de Clubes, Eliminatórias e finais de diversos campeonatos.
Leia mais