Ouvindo...

Times

Empresários tentam se reerguer após água do Guaíba baixar no centro histórico de Porto Alegre

Nível do rio chegou a 4,5 metros nesta terça-feira (20); alguns pontos do centro ainda estão alagados, incluindo o metrô

Na medida em que a água começou a baixar no centro histórico de Porto Alegre, muitas pessoas iniciaram a limpeza de seus estabelecimentos comerciais. Apesar do Guaíba registrar 4,05 metros na tarde desta terça-feira (21), o cenário ainda é de muita destruição e tristeza.

É possível ver prédios históricos tomados pela água, monumentos estragados, equipes de limpeza da prefeitura tentando retirar a lama das ruas e o Mercado Público de Porto Alegre, que é o mais antigo do Brasil, totalmente tomado pela água, pela sujeira e por um odor muito forte. O metrô de Porto Alegre também está completamente inundado e cheio de lixo. Imagens mostram a precariedade do local.

Apesar da situação complicada, há empresários e empreendedores que acreditam na recuperação dos seus negócios. Esse é o caso do Lucas Silva, proprietário de um café na praça da Alfândega, no centro histórico da capital gaúcha.

“Graças a Deus a água começou a baixar já no domingo e a gente foi ver o prejuízo na prática. Tinha muita sujeira no deck, mas a gente conseguiu tirar ele fazer uma breve limpeza. Agora é contabilizar os prejuízos. Tem muita umidade e muita sujeira ali dentro. Mas agora é recomeçar e tentar de novo”, disse o empreendedor.

Leia também

Apesar de ainda não ter calculado o tamanho do prejuízo, Lucas conta que a perda é de no mínimo R$ 20 mil. “Acho que tem em torno de uns 20, 30 mil reais de material e estoque. Mas ainda tem o tempo parado, mais a questão de funcionários. Não cheguei a contabilizar isso porque está sendo uma coisa de cada vez. Agora, a gente tem que recomeçar, criar forças, trabalhar muito e torcer para tudo dar certo”, acrescenta.

O empresário Agostinho Zucchi, dono de um outro café no centro histórico de Porto Alegre, acredita que já perdeu mais de R$ 100 mil, mas não abre mão de honrar o pagamento dos funcionários e de acreditar na recuperação do seu negócio e da cidade.

“Nós ficamos 16 dias debaixo d'água. No último sábado (18), a gente veio fazer a vistoria e constatei que a água era a mínima dentro de estabelecimento. Desde então, iniciamos a limpeza e o descarte de mercadorias vencidas e destruídas. Enfim, começou a nossa luta”, lamenta.

O comerciante ainda contabiliza todos os prejuízos da enchente. “A gente não tem como dizer exatamente qual será o (prejuízo) total. Nós temos nove geladeiras. Dessas, a gente não sabe se vai perder totalmente ou parcialmente. Considerando que o faturamento não vai existir e a gente, obviamente, se sente compelido a responder pelos salário dos funcionários, eu estimo que será no mínimo 100 mil reais de prejuízo. A gente perdeu muita coisa que estava aqui no café. O balcão foi destruído, madeiras, portas. A gente olha e dá uma tristeza. Mas, por outro lado, tem que erguer a cabeça e seguir”, finaliza.

Enchentes no RS

Segundo a Defesa Civil, as fortes chuvas que atingem o Rio Grande do Sul, desde o fim de abril, já afetaram mais de 2,3 milhões de pessoas em 464 municípios, o equivalente a mais de 90% do estado gaúcho. De acordo com os dados mais atualizados, são 161 mortos, 85 desaparecidos, 806 feridos, mais de 72 mil em abrigos e mais de 580 mil desalojados (em casa de parentes e amigos).

Como ajudar?

Segundo as autoridades, desabrigados e desalojados que foram acolhidos pela Defesa Civil precisam não só de alimentos, como também de colchões, roupas de cama e banho e também cobertores. Quem mora na região de Porto Alegre pode contribuir presencialmente no Centro Logístico da Defesa Civil Estadual (avenida Joaquim Porto Villanova, 101, bairro Jardim Carvalho, Porto Alegre).

Além de receber doações de vários itens, as autoridades permitem a doação de qualquer tipo de valor em dinheiro. Para permitir a colaboração de pessoas de outras cidades e estados, o Governo do Estado criou uma chave Pix para receber doações. Quem quiser contribuir, pode fazer um Pix para o CNPJ 92958800000138.


Participe dos canais da Itatiaia:

Gaúcha de Porto Alegre, Mauri Dorneles é formada em Jornalismo pela PUC-RS e trabalha como correspondente do portal Itatiaia Esporte no Sul do Brasil. Também cursou Cinema. Antes da Itatiaia, passou por Correio do Povo, Record RS, Rádio Grenal, RBS TV e Band.
Fernanda Rodrigues é repórter da Itatiaia. Graduada em Jornalismo e Relações Internacionais, cobre principalmente Brasil e Mundo.
Leia mais