Ouvindo...

Times

MP denuncia influenciadora que relacionou chuvas no RS a ‘terreiros de macumba’

Michele Dias Abreu, que tem quase 32 mil seguidores, cometeu crime de intolerância religiosa, de acordo com denúncia do Ministério Público de Minas Gerais

Uma mulher de 43 anos, moradora de Governador Valadares, na região do Vale do Rio Doce, foi denunciada pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) por praticar e incitar a intolerância religiosa por meio de publicação em rede social. Se condenada, ela pode pegar de dois a cinco anos de reclusão, além de pagar multa.

No dia 5 de maio, a influenciadora cristã MIchele Dias Abreu, que tem 31,9 mil seguidores em seu perfil no Instagram, publicou um vídeo na plataforma em que associava as enchentes no Rio Grande do Sul a religiões de matriz africana.

“Não sei se vocês sabem, mas o Estado do Rio Grande do Sul é um dos Estados com o maior número de terreiros de macumba. Mais que a Bahia. E em algumas igrejas, alguns profetas já estavam anunciando sobre algo que iria acontecer no Rio Grande do Sul, devido à ira de Deus mesmo. As pessoas estão brincando e muitos inocentes pagam o preço junto, infelizmente, misturando aquilo que é santo, e as pessoas estão abusando disso”, disse em uma publicação que viralizou.

“Deus não divide sua honra com ninguém e isso vai ter consequência. Já está tendo consequência lá no Rio Grande do Sul. Por quê foi o Rio Grande do Sul e não foi o Estado de Santa Catarina?”, questionou a influenciadora.

Para a promotora de Justiça Ana Bárbara Canedo Oliveira, além de praticar o crime, Michele Dias Abreu também induziu outras milhares de pessoas à discriminação, ao preconceito e à intolerância contra as religiões de matriz africana.

Leia também

Influenciadora pediu desculpas

Dois dias depois, com a repercussão de suas declarações pediu desculpas.

“Na verdade, eu me expressei mal, as palavras, eu não quis de forma alguma ofender as pessoas por causa da religião. A religião é uma opção individual de cada um. Baseado naquilo que eu falei, eu queria pedir perdão se eu magoei as pessoas com relação à opção delas. Não tem nada a ver com o que está acontecendo no Rio Grande do Sul. Pelo contrário, a gente está muito triste, está orando por isso para que as pessoas consigam retomar a vida delas. Mas eu queria retratar, deixar registrada minha retratação, porque na verdade eu me expressei mal”, afirmou em um novo vídeo publicado no dia 7 de maio.


Participe dos canais da Itatiaia:

Editor de política. Foi repórter no jornal O Tempo e no Portal R7 e atuou no Governo de Minas. Formado em Comunicação Social pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), tem MBA em Jornalismo de Dados pelo IDP.
Leia mais