Ouvindo...

Times

Saiba quem é Renato Cariani, influencer e coach alvo de operação da PF

Renato Cariani é considerado um dos maiores influenciadores do segmento fitness nas redes sociais

Alvo da Polícia Federal em uma operação contra o tráfico de drogas, o influenciador Renato Cariani tem mais 14 milhões de seguidores e se denomina nas redes sociais como empresário, youtuber, professor de química, de Educação Física e atleta profissional. Entre as pessoas que seguem Cariani nas redes estão artistas e celebridades.

A Operação Hinsberg investiga uma organização criminosa que desviava produtos químicos para a fabricação de drogas. A PF aponta que 19 toneladas de crack e cocaína podem ter sido fabricadas com os produtos desviados pelo grupo.

Renato Cariani é considerado um dos maiores influenciadores do segmento fitness nas redes sociais. Somente no Instagram, ele tem 7,3 milhões de seguidores. São 6,3 milhões de inscritos no canal dele no YouTube 1 milhão no Tik Tok

Em sua conta no Instagram, ele posta fotos com cantores, apresentadores de TV, modelos e outros influenciadores. Cariani também tem um site, por meio do qual vende cursos e treinamentos que envolvem desde orientação na área de nutrição até mentoria em investimentos financeiros. Os planos partem de 49,90 por mês.

Nos últimos meses, Renato Cariani atraiu públicos de diversos segmentos na internet, principalmente com a criação de projetos para personalidades da internet e da TV, como Igor Coelho, do Flow Podcast, e Danilo Gentili, do SBT. Até o ex-lutador do UFC, Anderson Silva, chegou a treinar no CT de Renato Cariani recentemente.

Em seu CT, Renato Cariani conta com nutricionistas e parte dos alunos é fisiculturista. Os atletas competem nacionalmente e fora do país, caso de Ramon Dino, vice-campeão do Mr. Olympia em 2023. A competição é a mais importante do fisiculturismo no mundo, e é realizada nos Estados Unidos.

Operação Hinsberg

Renato Cariani é sócio de uma indústria química de Diadema, na Grande São Paulo. A casa dele foi um dos locais de busca e apreensão feita pela PF.

Mais de 70 policiais federais, agentes do Gaeco de São Paulo e da Receita Federal participaram da ação desta terça. Foram 16 mandados cumpridos em cidades paulistas, além de outros dois em Curitiba (PR) e em Rubim, no interior de Minas Gerais.

Segundo a polícia, as investigações revelaram que o esquema abrangia a emissão fraudulenta de notas fiscais por empresas licenciadas a vender produtos químicos em São Paulo, usando “laranjas” para depósitos em espécie, como se fossem funcionários de grandes multinacionais, vítimas que figuraram como compradoras.

A polícia identificou 60 transações que renderam cerca de 12 toneladas de produtos químicos, como fenacetina, acetona e éter etílico. De acordo com a investigação, a quantidade de produtos corresponde a mais de 19 toneladas de cocaína e crack prontas para o consumo.

Para dissimular a procedência ilícita do dinheiro recebido com o esquema, a quadrilha usava diversas metodologias, como a constituição de “empresas fantasmas”.

Os investigados vão responder pelos crimes de tráfico equiparado, associação para fins de tráfico e de lavagem de dinheiro. As penas somadas podem ultrapassar 35 anos de reclusão.

A reportagem tenta contato com o influencer.

*Com informações de Ederson Hising

Jornalista formado pela Newton Paiva. É repórter da rádio Itatiaia desde 2013, com atuação em todas editorias. Atualmente, está na editoria de cidades.
Leonardo Garcia Gimenez é repórter multimídia na Itatiaia. Natural de Arcos-MG e criado em Iguatama-MG. Passou também pela Record Minas.
Leia mais